PT aluga terreno em frente à PF para tentar manter vigília pró-Lula

Logo após a prisão do ex-presidente, há 100 dias, média diária era de 500 a 600 pessoas; hoje, cerca de 50 militantes permanecem no local

PT aluga terreno em frente à PF para tentar manter vigília pró-Lula

presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT), senadora Gleisi Hoffman, falou sobre os 100 dias da Vigília Lula Livre e destacou o espírito de resistência de todos os presentes em Curitiba.

“São 100 dias de resistência. Resistência na defesa do Lula, de sua inocência. Resistência pelos direitos do povo brasileiro que foi encarcerado junto com o Lula”, disse Gleisi. “Na política, resistir é tão importante como arremeter, como já dizia o grande líder libertador José Martí”, completou.

Nesta semana, o partido providenciou o aluguel de um novo terreno, em frente à sede da Polícia Federal (PF), onde Lula está preso desde o dia 7 de abril. A decisão ocorre após protestos de moradores da região contra a ocupação.

“Depois de proibirem a gente de deixar as barracas na Praça Olga Benário , os movimentos resolveram locar o terreno, que é privado, onde vai funcionar como ponto para os nossos atos”, explicou Regina Cruz, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Paraná.

No mês passado, a Justiça autorizou o uso de força policial para retirar as barracas dos simpatizantes do ex-presidente. Os impasses contribuíram com o enfraquecimento do movimento. Nos primeiros dias da prisão de Lula, segundo dados da revista Carta Capital, a média diária era de 500 a 600 pessoas. Hoje, cerca de 50 militantes permanecem no local.

“Não é a quantidade de pessoas que importa, mas a luta, a resistência, o grito de guerra e nossa presença nas ruas e nas vigílias. Duas vezes por dia acionamos as redes sociais. Recebemos apoio de todo o país. Uma vez por semana fazemos uma prestação de conta de tudo o que acontece”, ponderou Edna Dantas, militante do movimento por moradias populares em Curitiba, que desde o primeiro dia está à frente da organização.

Já Gleisi Hoffman preferiu comemorar, nesta quarta-feira (18), o apoio e a solidariedade ao PT e a Lula, após ter sido alcançada a marca de R$ 1 milhão por meio de financiamento colaborativo. Nesse contexto, voltou a destacar o papel da vigília.

“Como dissemos quando a vigília foi iniciada, nós não vamos sair de lá sem o Lula. A vigília se tornou uma referência da resistência, da luta e, principalmente, da solidariedade ao Lula. Ela continuará enquanto continuar essa injustiça com ele”, disse.

Compartilhar

Em artigo, Lula questiona seus algozes: “Por que vocês têm medo que eu fale”

“Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este país? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas?”, indaga o ex-presidente Lula em artigo publicado nesta quinta-feira

247 – “Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este país? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa? (…) É para isso que vocês, os poderosos sem votos e sem ideias, derrubaram uma presidente eleita, humilharam o país internacionalmente e me prenderam com uma condenação sem provas, em uma sentença que me envia para a prisão por ‘atos indeterminados’, após quatro anos de investigação contra mim e minha família? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas?”. Indaga o ex-presidente Lula em artigo publicado nesta quinta-feira no jornal Folha de São Paulo.

Leia a íntegra do artigo do ex-presidente Lula:

“Estou preso há mais de cem dias. Lá fora o desemprego aumenta, mais pais e mães não têm como sustentar suas famílias, e uma política absurda de preço dos combustíveis causou uma greve de caminhoneiros que desabasteceu as cidades brasileiras. Aumenta o número de pessoas queimadas ao cozinhar com álcool devido ao preço alto do gás de cozinha para as famílias pobres. A pobreza cresce, e as perspectivas econômicas do país pioram a cada dia

Crianças brasileiras são presas separadas de suas famílias nos EUA, enquanto nosso governo se humilha para o vice-presidente americano. A Embraer, empresa de alta tecnologia construída ao longo de décadas, é vendida por um valor tão baixo que espanta até o mercado.

Um governo ilegítimo corre nos seus últimos meses para liquidar o máximo possível do patrimônio e soberania nacional que conseguir —reservas do pré-sal, gasodutos, distribuidoras de energia, petroquímica—, além de abrir a Amazônia para tropas estrangeiras. Enquanto a fome volta, a vacinação de crianças cai, parte do Judiciário luta para manter seu auxílio-moradia e, quem sabe, ganhar um aumento salarial.

Semana passada, a juíza Carolina Lebbos decidiu que não posso dar entrevistas ou gravar vídeos como pré-candidato do Partido dos Trabalhadores, o maior deste país, que me indicou para ser seu candidato à Presidência. Parece que não bastou me prender. Querem me calar.

Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este país? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa?

É para isso que vocês, os poderosos sem votos e sem ideias, derrubaram uma presidente eleita, humilharam o país internacionalmente e me prenderam com uma condenação sem provas, em uma sentença que me envia para a prisão por “atos indeterminados”, após quatro anos de investigação contra mim e minha família? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas?

Lembro-me da presidente do Supremo Tribunal Federal que dizia “cala boca já morreu”. Lembro-me do Grupo Globo, que não está preocupado com esse impedimento à liberdade de imprensa —ao contrário, o comemora.

Juristas, ex-chefes de Estado de vários países do mundo e até adversários políticos reconhecem o absurdo do processo que me condenou. Eu posso estar fisicamente em uma cela, mas são os que me condenaram que estão presos à mentira que armaram. Interesses poderosos querem transformar essa situação absurda em um fato político consumado, me impedindo de disputar as eleições, contra a recomendação do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Eu já perdi três disputas presidenciais —em 1989, 1994 e 1998— e sempre respeitei os resultados, me preparando para a próxima eleição.

Eu sou candidato porque não cometi nenhum crime. Desafio os que me acusam a mostrar provas do que foi que eu fiz para estar nesta cela. Por que falam em “atos de ofício indeterminados” no lugar de apontar o que eu fiz de errado? Por que falam em apartamento “atribuído” em vez de apresentar provas de propriedade do apartamento de Guarujá, que era de uma empresa, dado como garantia bancária? Vão impedir o curso da democracia no Brasil com absurdos como esse?

Falo isso com a mesma seriedade com que disse para Michel Temer que ele não deveria embarcar em uma aventura para derrubar a presidente Dilma Rousseff, que ele iria se arrepender disso. Os maiores interessados em que eu dispute as eleições deveriam ser aqueles que não querem que eu seja presidente.

Querem me derrotar? Façam isso de forma limpa, nas urnas. Discutam propostas para o país e tenham responsabilidade, ainda mais neste momento em que as elites brasileiras namoram propostas autoritárias de gente que defende a céu aberto assassinato de seres humanos.

Todos sabem que, como presidente, exerci o diálogo. Não busquei um terceiro mandato quando tinha de rejeição só o que Temer tem hoje de aprovação. Trabalhei para que a inclusão social fosse o motor da economia e para que todos os brasileiros tivessem direito real, não só no papel, de comer, estudar e ter moradia.

Querem que as pessoas se esqueçam de que o Brasil já teve dias melhores? Querem impedir que o povo brasileiro —de quem todo o poder emana, segundo a Constituição— possa escolher em quem quer votar nas eleições de 7 de outubro?

O que temem? A volta do diálogo, do desenvolvimento, do tempo em que menos teve conflito social neste país? Quando a inclusão dos pobres fez as empresas brasileiras crescerem?

O Brasil precisa restaurar sua democracia e se libertar dos ódios que plantaram para tirar o PT do governo, implantar uma agenda de retirada dos direitos dos trabalhadores e dos aposentados e trazer de volta a exploração desenfreada dos mais pobres. O Brasil precisa se reencontrar consigo mesmo e ser feliz de novo.

Podem me prender. Podem tentar me calar. Mas eu não vou mudar esta minha fé nos brasileiros, na esperança de milhões em um futuro melhor. E eu tenho certeza de que esta fé em nós mesmos contra o complexo de vira-lata é a solução para a crise que vivemos.”

Luiz Inácio Lula da Silva – Ex-presidente da República (2003-2010)

Compartilhar

TRE-MA manda quebrar sigilo de páginas que atacam Roseana Sarney

Publicações apócrifas querem difamar pré-candidata ao governo, diz advogada

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão acatou pedido da pré-candidata a governadora Roseana Sarney (MDB) e quebrou o sigilo de páginas no Facebook que a atacaram. Em decisão tomada na última sexta-feira (13), o juiz Clodomir Sebastião Reis determinou a exclusão dos perfis sob pena de multa diária de R$ 1.000, diante da recusa do Facebook em fazê-lo extrajudicialmente.


Três das páginas, “Rosengana Sarney“, “Rosengana Roubalhey” e “Rosengana Maranhão“, estão fora do ar. Uma quarta, “Fora Roseana Sarney”, ainda está disponível. Há 20 dias, o pré-candidato a governador de São Paulo João Doria (PSDB) entrou com pedidos similares na Justiça. Com a quebra de sigilo, o tucano identificou que filiados ao PSB estavam por trás de acusações falsas.

Para embasar o pedido, a ex-governadora do Maranhão apresentou publicações como uma imagem em que ela é colocada dentro de um barco cheio de lama na página “Rosenaga Sarney”, ou é representada fantasiada de bruxa em cima de uma vassoura em “Rosengana Maranhão”. A página “Rosengana Roubalhey” fez alusão à dúvida que cerca a pré-candidatura da ex-governadora sobre sua real disposição em disputar. “Nossa, tô numa preguiça de ir fazer campanha… Aff”, publicou a página.

Em outra postagem, fez menção ao pai de santo Bita do Barão, tido como ligado ao ex-presidente José Sarney (MDB), pai de Roseana. A pré-candidata se diz católica e vê associações a religiões com matriz africana como forma de tentar difamá-la. “Termina essa oração logo, pastor… Hoje é sexta-feira e tem terecô [dança de cultura popular] no terreiro do Bita do Barão. Não posso perder”, diz uma.

Em outra publicação, ela é retratada como elitizada. “É pecado comer lagosta, jogar carteado e beber vinho cabernet dia de Corpus Christi?”, pergunta. Por serem páginas e perfis apócrifos, a advogada de Roseana, Anna Graziella Neiva Costa, disse que as decisões de quebrar o sigilo “colocam a Justiça do Maranhão integralmente alinhada ao entendimento do TSE (Tribunal Superior Eleitoral de combater fake news [notícias falsas] e lutar por eleições limpas”.

Na peça, ela alega que as “postagens com conteúdo de propaganda eleitoral antecipada negativa em desfavor da ex-governadora que a agridem e difamam com a finalidade de trazer prejuízos à sua campanha eleitoral, concluindo que as postagens em página anônima têm o condão de desequilibrar o pleito”.

O juiz diz, em sua decisão, que Roseana “se insurge contra propaganda reputada irregular (antecipada e negativa), onde constam postagens com o intuito de denegrir a imagem da representante”. “Analisando o conteúdo das postagens impugnadas, tenho que elas extrapolam os limites da liberdade de expressão, na medida em que ostentam afirmações que imputam à pré-candidata postura social e prática de atos incompatíveis com o exercício de mandato eletivo”.

Compartilhar

Maranhão: Entre o comunista e o clã Sarney

Resultado de imagem para roseana sarney 2018

No Maranhão, Roseana Sarney (MDB) vai tentar retomar o poder no estado. Se vencer as eleições ao governo, será o quinto mandato da filha de José Sarney.

Mas quem lidera as pesquisas até aqui é Flávio Dino, o governador comunista que nas últimas eleições desbancou — no primeiro turno — o clã Sarney depois de cinco décadas.

O tucano Roberto Rocha apresenta-se como terceira via. O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) ainda não cravou se vai tentar correr por fora.

No Senado, Edison Lobão, aos 81 anos, acreditem, tentará a reeleição para ficar mais 8 anos em Brasília.

Também pontuam nas pesquisas a deputada federal Eliziane Gama (PPS), aliada de Dino; Weverton Rocha (PDT), também com o apoio de Dino; e Sarney Filho (PV), ex-ministro do Meio Ambiente de Michel Temer e irmão de Roseana. O ex-governador José Reinaldo (PSDB), ex-aliado de Sarney, é outro que está na briga por uma das duas vagas.

Dos 18 deputados federais, o único que não vai se candidatar neste ano é Pedro Fernandes (PTB), que lançará o filho — o vereador Pedro Lucas — em seu lugar.

Compartilhar

Tarso Genro sinaliza apoio a Boulos caso Lula não seja candidato nas eleições 2018

Em evento público, ex-governador disse que presidenciável do PSOL conseguiu formar um ‘discurso da esperança’

Em debate público realizado na noite desta segunda-feira, 16, em Porto Alegre, o ex-ministro e ex-governador gaúcho Tarso Genro defendeu o apoio do PTao pré-candidato do PSOL à Presidência nas eleições 2018Guilherme Boulos, caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, não possa se candidatar.

Tarso Genro critica PT, governo Dilma e PMDB na questão das dívidas dos Estados
Tarso Genro disse que vem sinalizando desde outros debates seu apoio a Boulos.

“Nós vamos defender que o PT lidere uma nova frente política e convide o companheiro Boulos para ser nosso candidato à Presidência da República”, disse Tarso durante debate denominado “Os Caminhos da Esquerda”, realizado no teatro da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Tarso foi aplaudido por uma plateia composta principalmente por militantes de partidos e movimentos sociais de esquerda.

Tarso Genro disse que vem sinalizando desde outros debates seu apoio a Boulos. Para ele, o pré-candidato do PSOL representa “um espírito que a esquerda vinha perdendo” e que Boulos conseguiu constituir um “discurso de esperança”.

O ex-ministro também criticou o PT por não discutir alternativas conjuntas de esquerda caso Lula não seja candidato. “Vários quadros do Partido dos Trabalhadores vamos propor Boulos para a Presidência, se o PT ousar a fazer uma discussão, que até agora essa discussão não foi feita”, afirmou.

Coragem

Em sua fala, Guilherme Boulos elogiou o que ele chamou de “generosidade e a coragem de Tarso Genro em construir pontes num momento que todo mundo está querendo dinamitá-las”. Da mesma forma, Boulos criticou a prisão do ex-presidente Lula e também pediu a unidade das esquerdas. “É necessário unidade. Unidade das forças democráticas, das forças de esquerda, em defesa da democracia e dos direitos sociais. Isso é um desafio histórico que está colocado para nós hoje”, disse.

Compartilhar

VÍDEO: Ricardo Murad desiste de candidatura e declara apoio a Roseana

Em pronunciamento divulgado nesta terça-feira (17), o ex-secretário de Saúde do Estado do Maranhão, Ricardo Murad, anunciou que não será mais candidato ao Governo, nas eleições de outubro próximo, declarando (enfim) total apoio a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Essas eleições de 2018 ainda vai ter muitas surpresas pelo que estamos acompanhando, fique atendo ao nosso blog e acompanhe nossas postagens.

Resultado de imagem para eleições 2018

Compartilhar

Novo secretário da Semapa visita “Feirinha São Luís”

O novo Secretário de Agricultura e Abastecimento (Semapa), o professor e sociólogo Nonato Chocolate foi apresentado neste domingo (15), na Feirinha de São Luís. Nonato Chocolate foi recebido calorosamente pelo atual secretário de Articulação Politica ,Ivaldo Rodrigues e pelos vereadores Sá Marques e Antônio Garcês e do secretário de Orçamento Participativo Olimpio Araújo.

O novo secretário foi acompanhado de amigos e militantes do Partido dos Trabalhadores como: Clemilton Ferraz (Papel), Armando Nobre, Miguel Pinheiro, Osvaldo Muller, Gugu, Paulinho Barros, Helena, Arnaldinho e o maestro Augusto Bastos. Com a proposta de prolongar o São João durante o mês de julho, a Feirinha São Luís tem fortalecido a geração de renda dos feirantes e ambulantes cadastrados.

O programa da Prefeitura de São Luís nasceu na gestão do prefeito Edivaldo, é executado pela Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), e acontece todo domingo na Praça Benedito Leite, das 7h às 15h.

O arraial fora de época continua durante todo o mês de julho, com o objetivo de divulgar a cultura local e fortalecer o turismo na capital. Nessa 58ª edição as brincadeiras e atrações que animaram o público foram o Boi de Morros, Albert Abrantes, Dhean Britto e Banda, e Forró Pé-deserra.com .

Compartilhar

Cristiane Brasil chama Fachin de vagabundo em mensagem a ex-ministro do Trabalho

A deputada federal enviou mensagem atacando o ministro do STF ao então ministro Helton Yomura, segundo investigação da PF; a parlamentar reclamou o vazamento da informação por não se tratar de interesse público

Cristiane Brasil escreveu ao ex-ministro do Trabalho: “Olha esse vagabundo mostrando pra que veio”, sobre Fachin
Gilmar Felix/Câmara dos Deputados

Cristiane Brasil escreveu ao ex-ministro do Trabalho: “Olha esse vagabundo mostrando pra que veio”, sobre Fachin

Em mensagem capturada pela Polícia Federal no celular apreendido de Cristiane Brasil (PTB-RJ), a deputada federal chama o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin de “vagabundo”.

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Cristiane Brasil teria atacado o ministro em 2 de junho, dias depois da PF cumprir mandados expedidos por ele contra funcionários do Ministério do Trabalho. A mensagem foi enviada ao então ministro da pasta, Helton Yomura, por causa da especulação de que Fachin traria de volta o imposto sindical, extinto pela reforma trabalhista.

Brasil escreveu ao ex-ministro do Trabalho: “Olha esse vagabundo mostrando pra que veio”.

Ao jornal, a deputada federal escreveu que “o vazamento da conversa não relacionada com as investigações extrapola a liberdade de imprensa e a proteção da fonte, aviltando o direito à privacidade e prerrogativas parlamentares”. Ela ainda disse que irá pedir a abertura de investigação para apurar os fatos, porque o vazamento “transcende o interesse público”.

Cristiane Brasil na Operação Registro Espúrio

No dia 12 de junho deste ano, o ministro do STF autorizou que a PF fizesse busca e apreensão nas residências e no gabinete da deputada federal do PTB. Ele também proibiu que Brasil mantivesse contato com os outros investigados na Operação Registro Espúrio , entre os quais está o pai da parlamentar, o deputado cassado e presidente nacional do partido, Roberto Jefferson.

Com as buscas, a PF tenta averiguar se a deputada tem participação na organização criminosa que atua na concessão fraudulenta de registros sindicais no Ministério do Trabalho – fraudes estas, aliás, que foram ligadas ao ministro Carlos Marun neste sábado (14), ainda nas investigações da operação.

Segundo a PF, foi descoberto um “amplo esquema de corrupção dentro da Secretaria de Relações de Trabalho do Ministério do Trabalho, com suspeita de envolvimento de servidores públicos, lobistas, advogados, dirigentes de centrais sindicais e parlamentares”.

São apurados os supostos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.

A primeira fase dessa operação ocorreu em maio, quando o secretário-executivo do Ministério do Trabalho, Leonardo José Arantes, teve mandado de prisão expedido. Na ocasião, as sedes dos partidos PTB – presidido pelo ex-deputado Roberto Jefferson, pai de Cristiane Brasil – e Solidariedade, bem como da Força Sindical, também foram alvos de busca.

Fonte: Último Segundo – iG

Compartilhar

Discurso dos pré-candidatos deve mudar com TV, diz cientista política…

A cientista política Lara Mesquita, da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, considera que o início oficial da campanha, a partir de 16 de agosto, deve marcar uma inflexão no discurso dos pré-candidatos à Presidência – até agora sem preocupação específica de resgatar a confiança do eleitor que declara voto nulo ou em branco nessas eleições. “Esse discurso deve aparecer nas propagandas de TV. Daí, será preciso falar com todos os perfis de eleitor”, disse ela.

O senador Alvaro Dias, do Podemos, disse que espera atingir os indecisos por meio de vídeos e postagens mais incisivas nas redes, destacando que é ficha limpa e que tem experiência administrativa – ele foi governador do Paraná.

A equipe do presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, considera que o desencanto dos eleitores com a política no Brasil explica os altos índices de votos nulos e o porcentual de indecisos. Por ora, a ordem é continuar “percorrendo o País” e “dialogar com os eleitores, estejam eles indecisos ou não”.

Nas últimas semanas, no entanto, Alckmin passou a aparecer mais ao lado da mulher, Lu Alckmin, em vídeos e fotos das redes sociais. Em um deles, lembra que são casados há 39 anos e em outro afirma que é “apaixonado” por ela .

Presidente nacional do PSOL e coordenador da pré-campanha de Guilherme Boulos, Juliano Medeiros disse que o número de eleitores descrentes com o pleito pode ser creditado aos escândalos de corrupção e ao processo que levou à cassação de Dilma Rousseff. Segundo ele, a estratégia da sigla é se aproximar cada vez mais dos movimentos sociais. “A ideia é mostrar que o povo pode fazer política”, afirmou ele.

Já o presidente do PDT, Carlos Lupi, disse que Ciro Gomes, presidenciável do partido, assim como os demais, deve ter “humildade” para reconhecer as razões pelas quais tanta gente pensa em anular o voto. “Nos últimos anos, não foram poucas as notícias sobre escândalos, roubalheira e desvios”, disse ele, acrescentando que a solução continua “dentro da política”.

Resultado de imagem para eleições 2018

Compartilhar

EM PRIMEIRA MÃO! José Antônio Heluy será o coordenador da campanha de Roseana Sarney na região tocantina!!!

O coordenador da campanha de Roseana Sarney na região tocantina, será José Antônio Heluy.
Ele foi Secretário de Trabalho e Economia Solidária, no governo Roseana. José Antônio tem conversado com as lideranças na região, é agregador e um grande articulador.
Agora sim, resolvido essa questão, a hora é de muito trabalho!!!
Compartilhar