Suspeitos de divulgar pornografia na internet estão sendo procurados em 13 estados e no DF

A Polícia Federal fez nesta terça-feira uma ação em 13 estados e no Distrito Federal para tentar coibir a pornografia infantil pela internet. A operação Moikano busca cumprir 81 mandados judiciais, 50 de busca e apreensão e 31 de prisão preventiva.
Suspeitos de praticar crime de divulgação pornográfica na internet estão sendo procurados no Amazonas, São Paulo, Acre, na Bahia, no Ceará, em Minas Gerais, Pernambuco, no Pará, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e no Distrito Federal. Além dos 50 suspeitos no território nacional, há 70 em outros países.

O nome da operação faz referência ao apelido usado na rede mundial de computadores por um dos usuários da rede de pedofilia investigada. De acordo com a PF, o suspeito, identificado como Moikano, era um dos responsáveis pelo compartilhamento do material em grupos na internet. Após cumprimento de mandado de busca domiciliar, a polícia identificou os contatos do investigado e descobriu a rede internacional.


Segundo a Polícia Federal, o homem mantinha página em rede social com filmagens e fotografias de conteúdo pedófilo. O material compartilhado contém fotos e vídeos de abuso sexual de adolescentes e, principalmente, de crianças. Segundo as investigações, o grupo ainda trocava orientações na internet sobre como abordar e conquistar a confiança das crianças. Durante as investigações um suspeito chegou a ser preso antes de cometer o abuso sexual.

Os suspeitos poderão ser indiciados pelo crime contido no Estatuto da Criança e do Adolescente (Artigo 241-B da Lei 8.069/90) por possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. A pena pode chegar a seis anos de reclusão.
Compartilhar

Durante encontro com Dilma, Obama diz ver Brasil como ‘potência global’

Dilma Rousseff e Barack Obama | Foto: Getty
Dilma afirmou que problemas com governo Obama foram superados e presidentes trocaram declarações amigáveis

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta terça-feira, durante entrevista coletiva com a presidente Dilma Rousseff, que “não vê o Brasil como uma potência regional, mas (como) uma potência global”.
Obama e Dilma falaram a jornalistas após se encontrarem na Casa Branca quase dois anos depois de a brasileira cancelar uma visita aos EUA após denúncias de que havia sido espionada pelo governo americano.
Questionada sobre o episódio, a presidente afirmou que o problema havia sido superado. “De lá para cá, algumas coisas mudaram”, disse a presidente, citando declarações de Obama de que não haverá “intrusão em países amigos”.
“Eu acredito no presidente Obama e ele também me disse que, se precisasse de alguma informação não pública do Brasil, me telefonaria.”
Durante o encontro, Dilma parabenizou Obama pela reaproximação com Cuba: “É o fim da Guerra Fria e o estabelecimento de relação de qualidade (com América Latina)”, disse.
A presidente também afirmou que pretende transformar a cooperação na área de inovação em um dos “temas centrais” nas relações entre o Brasil e EUA e que o Brasil quer dobrar a corrente comercial com Estados Unidos em uma década.
Informal, Obama chamava presidente brasileira pelo primeiro nome: “Dilma, quero agradecê-la por elevar a relação bilateral a outro nível”
Obama diz querer voltar ao Brasil: “Não tive a chance de ir ao Carnaval, e o vice-presidente (Joe) Biden foi à Copa do Mundo, não eu”.

Lava Jato

Antes da entrevista, Dilma comentou as denúncias de envolvimento de dois ministros de seu governo – Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva (Comunicação Social) – no escândalo da Petrobras.
Em depoimento à Justiça, o empresário Ricardo Pessoa – preso na Operação Lava Jato – teria incluído os dois ministros na lista de 18 políticos que teriam recebido recursos provenientes de desvios na estatal.
Questionada se os dois continuariam no governo, Dilma disse que jamais nomeou ou demitiu ministros pela imprensa e que manteria a prática. “Vou aguardar toda a divulgação dos fatos.”
Ela disse que o governo não teve acesso ao depoimento de Pessoa e que há “vazamentos seletivos” na operação.
Dilma disse ainda que, segundo a investigação do Ministério Público e da Polícia Federal, “alguns funcionários da Petrobras cometeram delitos de corrupção” e só esses devem ser responsabilizados, mas não os demais trabalhadores nem o conjunto da empresa.
“A Petrobras não é uma empresa sub judice (que está em julgamento), é uma empresa em pleno uso de sua atividade”, disse a presidente, citando um prêmio que a companhia recebeu em maio por suas atividades na exploração do pré-sal.

Clima

Em uma declaração conjunta sobre mudanças climáticas divulgada nesta terça-feira durante a visita da presidente Dilma a Washington, o Brasil se comprometeu implementar políticas para eliminar o desmatamento ilegal.
O país anunciou também que pretende que sua matriz energética (incluindo biocombustíveis) atinja em 2030 uma participação de 28% a 33% de fontes renováveis, sem contar a geração hidráulica.
A mudança climática vem sendo tratada como um dos principais temas da visita da presidente aos EUA. De acordo com o documento, divulgado durante reunião de trabalho entre Dilma e o presidente Barack Obama, os dois países disseram que pretendem atingir, individualmente, mais de 20% de participação de fontes renováveis, além da geração hidráulica, em suas respectivas matrizes elétricas até 2030.
Em 2012, ultimo ano com dados disponíveis, essa participação era de 12,9% nos EUA e 7,8% no Brasil, sem contar as hidrelétricas.
null
Meta de reflorestamento anunciada pelo Brasil ainda é inferior ao que especialistas afirmam ser necessário

O Brasil também promete restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas até 2030. A meta de restauração, no entanto, é inferior ao total de áreas que devem ser recuperadas, de acordo com o Código Florestal.
Em artigo publicado na revista Science em 2014, pesquisadores afirmaram que o “passivo ambiental” do país – total de áreas ilegalmente desmatadas que precisam ser recuperadas – soma 21 milhões de hectares.
Não está claro como a meta de recuperação anunciada no acordo com os EUA se relaciona com a previsão do Código Florestal.
Os presidentes lançaram ainda uma iniciativa conjunta sobre mudança climática, com um grupo de trabalho para ampliar a cooperação bilateral sobre uso da terra e energia limpa.

Emissões de carbono

Os Estados Unidos pressionavam o Brasil a incluir no acordo metas de redução de suas emissões de carbono.
O governo americano já havia incluído o item em acordos com outros países, como a China. O Brasil, porém, preferiu anunciar suas metas mais à frente.
Na próxima cúpula do clima em Paris, em dezembro, espera-se que os países anunciem objetivos globais para a redução das emissões de carbono para frear o aquecimento global.
Ao fechar acertos com outros países antes da conferência, Obama tenta chegar a Paris fortalecido para as negociações. Ele diz que uma das prioridades de sua política externa é conseguir um acordo forte em Paris.
O Brasil, no entanto, reluta em se antecipar à cúpula do clima e se articula com outros países emergentes para a negociação em Paris. No domingo, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, se reuniu em Nova York com representantes da China, da Índia e da África do Sul para discutir suas posições.
Ao fim do encontro, ela disse que os quatro países – membros do bloco Basic, formado em 2009, pouco antes da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas – levarão a Paris discussões sobre os custos da transição para uma economia menos poluente.
Tradicionalmente, países emergentes cobram o apoio financeiro de nações ricas para alterar suas matrizes energéticas.
BBC
Compartilhar

Sem mandato, Sarney insiste em participar de solenidades no Planalto

Sem mandato desde fevereiro deste ano, o ex-presidente e ex-senador José Sarney (PMDB-AP) alardeia que está tentando se afastar da vida política, mas continua a participar de cerimônias ao lado de ministros e da presidente da República, Dilma Rousseff (PT).
Desde que deixou o cargo de senador, Sarney já participou de pelo menos três cerimônias no Palácio do Planalto, todas com a presença da presidente, e acumula cargo na hierarquia do PMDB.
Sarney deixou o Senado em fevereiro deste ano após quase 60 anos cumprindo mandatos políticos, aos 85 anos de idade. Na ocasião, disse que iria se dedicar à literatura e que se arrependia de ter voltado à vida política após deixar a Presidência da República em 1990.
Compartilhar

Mais de 4 milhões desviados, esse dinheiro era para a construção de um hospital em Rosário. Ricardo nunca mais…

Como se não bastasse toda enrolada durante a antiga gestão da Saúde, agora mais essa para incluir no currículo de Ricardo Murad… 
Uma vistoria feita pela Força Estadual de Transparência e Controle (Fetracon) apontou um desvio de R$ 4,2 milhões na gestão do ex-secretário estadual de Saúde do Maranhão Ricardo Murad, cunhado da ex-governadora Roseana Sarney, em um contrato de R$ 4,8 milhões firmado com a empresa Ires Engenharia Comércio e Representação.
O dinheiro deveria ser investido na construção de um hospital de 50 leitos no município de Rosário, cuja conclusão foi prevista no contrato para o dia 19 de maio deste ano. Mas no local existe apenas um terreno vazio. A Fetracon também constatou indícios de diversos crimes e atos de improbidade, como licitação dirigida, pagamentos irregulares e superfaturamento.
Apenas a empresa Ires Engenharia Comércio e Representação apresentou proposta. Segundo o jornal O Imparcial, a gestão do ex-secretário de Saúde Ricardo Murad pagou para a empresa 26% do valor total do contrato, mas foi constatada apenas a execução de 3,2% do objeto contratado.
De acordo com o atual secretário de Estado de Transparência e Controle, Rodrigo Lago, foi recomendado à Secretaria de Saúde a rescisão do contrato. “Considerando as gravíssimas constatações feitas pela Força Estadual de Transparência e Controle, determinei a realização de auditoria na licitação e na execução do contrato, além de encaminhar recomendações à Secretaria de Estado da Saúde no sentido de rescindir o contrato em defesa do patrimônio público”, explicou o secretário Rodrigo Lago.
Compartilhar

Rede Globo recebeu quase 10 bilhões de publicidade federal na era PT

Esse post é para sentarmos à margem do rio Tietê e chorarmos copiosamente.
Só a TV Globo recebeu mais de R$ 6 bilhões de publicidade federal durante a era PT.
Se contássemos as afiliadas da Globo em outros estados, essa conta subiria quase 2 bilhões
Se acrescentarmos rádios, jornais, portais pertencentes à Globo, mais uns 2 bilhões.
No total, veremos que o governo federal petista deu quase R$ 10 bilhões para a família Marinho.
Depois o PT quer fazer “pesquisa” para entender porque é tão odiado.
Depois os petistas querem entender porque o fascismo se expande na sociedade, e ministros petistas são xingados em restaurantes.
São xingados, com todo o respeito, porque o PT é burro.
Burro e masoquista.
Os tucanos quebraram, de verdade, o país; aprovaram a emenda mais “chavista” de toda a América Latina: reeleição para si mesmo, sem direito a opinião do povo sobre isso; multiplicaram a nossa dívida pública; acorrentaram-nos aos pés do FMI…
E seus economistas são aplaudidos em restaurantes.
Enquanto isso, Mantega, que salvou a economia brasileira durante uma das piores crises da história recente do capitalismo, é xingado por retardados em São Paulo, que lhe acusam de “destruir tudo”.
O PT alimentou o próprio inimigo com dinheiro público.
Quer dizer, não apenas o próprio inimigo. O inimigo da classe trabalhadora em geral.
Pior: nos últimos dois anos, em 2013 e 2014, a publicidade federal para os órgãos do golpe aumentou fortemente.
Há uma equação certeira: quanto mais a publicidade federal se concentra nas mesmas famílias de barões midiáticos, mais despenca a aprovação do governo.
Enquanto isso, revistas progressistas, rádios comunitárias, iniciativas populares de comunicação, tudo ficou à míngua, abandonado.
A TV Brasil foi sucateada, abandonada politicamente, depois de todo o esforço feito para criá-la e subsidiá-la. Não tem audiência e ninguém parece se preocupar com isso.
Dessa vez, Fernando Rodrigues ficou até com pena da blogosfera. Em outras ocasiões, dava destaque aos caraminguás miseráveis que meia dúzia de sites ou blogs ganhavam de publicidade federal. Juntava o que, por exemplo, o blog Nassif ganhou durante uns dez anos e tascava um número sensacionalista:
“Nassif ganhou 1 milhão do governo federal”. Aí quando você dividia aquilo por dez ou doze anos, não dava nada.
Ao constatar o desprezo oficial do governo para com iniciativas de fomento à pluralidade política, Fernando Rodrigues nem tocou no assunto.
O que me lembra a canção de Bezerra da Silva, sobre o ladrão que invade a casa do pobre e quase morre do coração, “ao ver tanta miséria em cima de um cristão”.
A grande mídia, esta sim, continuou ganhando na era Lula/Dilma o que sempre ganhou anteriormente. Em alguns casos, até mais.
Além de não fazer nada de concreto em prol da democratização da mídia, o governo petista ajudou a piorar o quadro de oligopólio dos meios de comunicação, através da concentração de verba publicitária federal em mãos de poucos.
E pelo mutismo covarde atual, não há nenhuma mudança substancial à vista.
O governo precisa entender que, em matéria de comunicação, não adianta agir em silêncio, discretamente. Isso é contraproducente. O ministro Edinho Silva, da Secom, tem de vir a público e falar abertamente à imprensa: “vamos democratizar profundamente as verbas públicas federais, porque é um imperativo da nossa Constituição, estimular o pluralismo político”.
E se preparar para a briga!
É tão difícil assim?
O PT quer continuar sendo linchado em restaurantes, aeroportos, etc?
O PT vai morrer beijando os pés de seus verdugos?
Quem se ferra, ao cabo, não é só o PT.
Todos os movimentos sociais, toda uma corrente de ideias, todo um sistema ideológico que dá sustentação às leis trabalhistas, ao monopólio da Petrobrás, tudo isso será tragado e destruído se o PT prosseguir financiando uma imprensa ultraconservadora, mentirosa e golpista.
Olha que nem falei do mais importante: as conspirações judiciais, quase todas alimentadas, desde seu início, pela mídia.
Brasil 247
Compartilhar

Sertanejos lançam campanha nas redes sociais contra o jornalista Zeca. Camargo

A dupla sertaneja Henrique e Juliano protestou em rede social

A dupla sertaneja Henrique e Juliano protestou em rede social
Sertanejos protestaram nas redes sociais contra a análise de Zeca Camargo sobre a morte do cantor Cristiano Araújo, vítima de um acidente de carro na quarta-feira, 24, aos 29 anos. Artistas como Israel Novaes, Fernando e Sorocaba, Marcos e Belutti, Munhoz e Mariano e Henrique e Juliano postaram imagens em que aparecem tampando os ouvidos após o apresentador afirmar que “de uma hora para outra, fãs e pessoas que não tinham ideia de quem era Cristiano Araújo partiram para o abraço coletivo”.
Zeca lista as mortes de Ayrton Senna, Mamonas Assassinas e Lady Di para questionar: “como então fomos capazes de nos seduzir emocionalmente por uma figura relativamente desconhecida? A resposta está nos livros de colorir”. Segundo Zeca, o fenômeno editorial destaca “a pobreza da atual alma cultural brasileira”. Ele finaliza: “temos tudo para adoramos ídolos de verdade”.
A crítica de Zeca foi ao ar no “Jornal das Dez”, da Globo News, e diz que o cantor “talvez tenha morrido cedo demais para provar que poderia ser uma paixão nacional”. Em seguida, sertanejos postaram imagens em que aparecem tapando os ouvidos para Zeca.
Sorocaba, da dupla Fernando e Sorocaba, foi um dos artistas que se manifestaram: “Tentando tapar o ouvido pra tanta bobagem … É triste ver em rede nacional o jornalista Zeca Camargo subestimando, nas entrelinhas da sua reportagem, a força da nossa musica sertaneja e a força dos nossos ídolos”.
A dupla Henrique e Juliano foi além e postou a imagem de um vaso sanitário com o nome do apresentador. “Zeca Camargo, tive o desprazer de ouvir suas palavras na televisão e é claro que, fiquei espantado com o tamanho do teu despreparo e incompetência. O senhor estava sob efeito de alguma droga?”, escreveu a dupla no Instagram.
“Não é porque o senhor acha que “CULTURA” está na tua cintura com a sua dança do ventre, que o senhor tem o direito de desrespeitar quem admira e respeita aqueles que trabalham arduamente pra ter o trabalho reconhecido usando um “microfone diferente” dos que o senhor usa pra ganhar o seu”, diz o texto.
Desde sua morte, a fama de Cristiano Araújo foi colocado em dúvida por internautas que desconheciam o sertanejo. O cantor, no entanto, foi o artista mais ouvido da Rádio Uol em 2014.
“Ídolos de verdade”
Zeca conclui sua crítica afirmando que o pop brasileiro “não precisa ser assim”. “Nossa história musical, e mesmo o passado recente, prova que temos tudo para adoramos ídolos de verdade, e para chorar de verdade pela presença deles no palco, ou na saudade da perda, mas olhando em volta, parece que não temos nada”, diz o apresentador.
Os internautas se dividiram quanto à análise de Zeca Camargo. Inicialmente, o apresentador foi duramente criticado e xingado nas redes sociais. “A maior besteira é a pessoa dizer que odeia um tipo de música e por isso considerar que quem ouve, não tem cultura. Zeca camargo lixo”, reclamou uma internauta.
Alguns usuário, porém, apoiaram a crítica. “Amei a opinião do Zeca Camargo, tá certíssimo, afinal que era Cristiano Araújo mesmo?  me poupem, se poupem, nos poupem”, comentou uma internauta. “O Zeca Camargo provando que o povo hoje em dia é tão mimado que não consegue ouvir crítica e aceitar opiniões diferentes”, opinou outro.
4brunobelutti
5israelnovaes
Sorocaba

Sorocaba
campanha-contra-zeca-camargo-israel-rodolfo-blog-bruno-figueredo-cristiano-araujo
10mariaceciliarodolfo
Compartilhar

Senador João Alberto vai descartar Zé Alberto em Bacabal

O presidente do Diretório regional do PMDB do Maranhão, senador João Alberto, reafirmou que seu candidato em Bacabal é o atual prefeito Zé Alberto, mas condicionou seu apoio ao desempenho dele nas pesquisas que serão feitas a partir do próximo ano.
“Em Bacabal, o meu candidato é o Zé Alberto, mas desde que ele tenha condições. Lá na frente, faremos uma pesquisa e quem estiver melhor posicionado vai concorrer as eleições no município, isso foi um acordo feito por nós”, revelou o senador em entrevista ao jornalista e blogueiro Diego Emir.
Ora, para um bom entendedor as declarações de João Alberto retratam sua disposição em apoiar seu aliado. Se fosse seu candidato real, diria que vai entrar desde já na campanha e ajudar com emendas e projetos a cidade que lhe abraçou como filho, e até colaborar com a gestão.
Não, o senador prefere deixar seu aliado caminhando feito um vaqueiro tocando a boiada sem rumo e nem direção, Zé Alberto só tem como adversário declarado ele mesmo, até porque o restante não lhe incomoda e nem existe.
Mas ele deve ficar de olho no seu capataz que sabe como ninguém derrubar qualquer um do cavalo.
Compartilhar

Dilma chega a Nova York ao lado de comitiva de ministros

A presidente Dilma Rousseff desembarcou neste sábado (27), acompanhada de comitiva de ministros, em Nova York para cumprir agenda política e econômica nos Estados Unidos até a próxima quinta-feira (2), segundo informou a Secretaria de Imprensa da Presidência da República. A visita incluirá encontro com empresários e com o presidente norte-americano, Barack Obama.

O avião presidencial pousou no Aeroporto Internacional John F. Kennedy por volta das 20h e, às 21h15, Dilma chegou ao hotel St. Regis, de acordo com a assessoria da Presidência. Não há agenda oficial prevista para este sábado.

Ao chegar ao hotel, Dilma foi perguntada sobre qual é a expectativa para o encontro com Obama. “Muito boa”, respondeu a presidente. Ela não parou para conversar com a imprensa. Além de retomar diálogo com o governo norte-americano, a viagem tem como objetivo atrair para o Brasil investimentos em infraestrutura. A primeira agenda oficial de Dilma será neste domingo, às 11h (10h no horário de Brasília), com empresários brasileiros.

A ida para os EUA ocorre num dia delicado para o governo. Na edição deste fim de semana, a revista “Veja” publicou reportagem que lista o nome de 18 políticos supostamente citados pelo dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, como beneficiados com dinheiro oriundo do esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato. De manhã, oembarque da presidente atrasou devido a reunião com ministros marcada de última hora.
Outro contratempo foi a internação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, membro da comitiva formada pelos chefes de 11 pastas do governo federal. Ele foi internado nesta sexta-feira em Brasília com embolia pulmonar, que ocorre quando coágulo entope uma veia e obstrui a chegada do sangue ao pulmão. Levy foi liberado na madrugada deste sábado, mas não pôde embarcar com os colegas em avião oficial. A previsão era que o ministro viajasse em voo comercial nesta noite.
Visita oficial
A comitiva presidencial é formada pelos ministros Mauro Vieira (Relações Exteriores), Jaques Wagner (Defesa), Joaquim Levy (Fazenda), Renato Janine Ribeiro (Educação), Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Nelson Barbosa (Planejamento), Ricardo Berzoini (Comunicações), Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia), Kátia Abreu (Agricultura) e Izabella Teixeira (Meio Ambiente), além do assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia.

A viagem presidencial ocorre um ano e nove meses após o cancelamento de visita Estado aos Estados Unidos. O objetivo desta vez é retomar as relações diplomáticas, atrair investimentos para concessões na área de infraestrutura (aeroportos, portos, rodovias e ferrovias) e impulsionar a economia.

Esta é a primeira vez que a Dilma fará visita oficial ao país após as denúncias de que agências de inteligência norte-americanas teriam espionado líderes mundiais, incluindo a própria presidente, há quase dois anos – ela chegou a estar no país duas vezes, mas para participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Nos quatro dias em que permanecerá nos Estados Unidos, Dilma terá compromissos em Nova York, Washington e São Francisco. Nas três cidades, terá encontros com empresários dos setores financeiro, manufatureiro, de investimentos, tecnologia e inovação.

Compartilhar

Errar faz parte do caminho

“Ignore, supere, esqueça. Mas jamais pense em desistir de você por causa de alguém.” – Clarice Lispector
Conheço poucas pessoas que conseguiram chegar a um resultado final, sem ter caído e errado muitas vezes antes. Thomas Edison tem uma frase que ele diz que ele não errou dez mil vezes tentando fazer a lâmpada, ele descobriu dez mil maneiras de como não fazer.
Essa é a lição que devemos tirar, o erro faz parte da nossa caminhada e devemos aprender com ele, perseguindo sempre os acertos. Não tirar proveito do erro, aí sim é um erro.
Importante ressaltar que você também deve ter coragem de assumir o seu erro. Errar não é vergonhoso, aquele modelo engessado, do militarismo, onde o líder não pode errar e nem deixar de saber alguma coisa, ficou para traz. Um líder maduro e seguro do que faz, aceita mudanças, aceita ser desafiado e acima de tudo, aceita que errou.
A maioria acha que basta apenas a vontade de mudar para conseguir se dar bem.Porém a partir do momento que nos dispomos a mudar, as dificuldades, a cada passo que damos, aumenta, e são elas que farão com que consigamos avançar cada vez mais.
Abra sua mente. Não desista de você. Mude!
Compartilhar