Jerry Adriani morre aos 70 anos no Rio

Ídolo da Jovem Guarda, cantor estava internado no Rio. Em tratamento contra o câncer, ele também havia sido internado recentemente após sofrer uma trombose.

O cantor Jerry Adriani, ídolo da Jovem Guarda, morreu às 15h30 deste domingo (23), aos 70 anos, no Rio. Ele enfrentava um câncer e estava internado no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, Zona Oeste.

A família confirmou a morte do artista ao G1 por telefone. Recentemente, Jerry Adraini havia sofrido uma trombose em uma das pernas. O corpo do cantor será velado no Cemitério Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária do Rio, na manhã desta segunda-feira. O enterro será às 17h, no mesmo cemitério.

Ícone da Jovem Guarda, Jair Alves de Souza nasceu em 29 do janeiro de 1947, no bairro do Brás, em São Paulo.

Adotou o nome artístico de Jerry Adriani quando começou sua carreira como cantor, em 1964. O primeiro disco foi “Italianíssimo”, quando cantava músicas em italiano, algo que seguiu fazendo em toda a carreira.

Em 1965, o cantor passou a gravar em português, com músicas reunidas no disco “Um grande amor”.

Carreira na TV e no cinema

Também na década de 1960, Jerry virou apresentador do programa “Excelsior a Go Go”, da TV Excelsior. O programa coapresentado por Luiz Aguiar era um musical com apresentações de artistas como Os Vips, Os Incríveis e Cidinha Santos.

Outro programa musical que ele comandou foi “A grande parada”, no ar pela TV Tupi em 1967 e 1968. Ele era um dos apresentadores ao lado de Neyde Aparecida, Zélia Hoffmann, Betty Faria e Marilia Pera.

Além da TV, Jerry se aventurou pelo cinema. Ele cantou e atuou em “Essa gatinha a minha” (com Peri Ribeiro e Anik Malvil); “Jerry, A grande parada”; e “Jerry em busca do tesouro” (com Neyde Aparecida e os Pequenos Cantores da Guanabara).

Parceria com Raul Seixas

Jerry Adriani também aproveitou de sua fama para dar apoio a novos artistas. Ele, por exemplo, foi um dos primeiros a incentivar um então pouco conhecido Raul Seixas.

Raulzito e os Panteras atuaram como banda de apoio de Jerry por três anos. O cantor gravou músicas de Raul (”Tudo que é bom dura pouco”, “Tarde demais” e “Doce doce amor”) e foi produzido pelo maluco beleza entre 1969 e 1971.

Depois da TV e do cinema, Jerry tentou a sorte no teatro. Em 1975, participou do musical “Brazilian Follies”, tendo ficado um ano e meio em cartaz.

Após essa experiência, ele seguiu fazendo shows e gravando discos. Em 1985, lançou “Tempos Felizes”, com regravações dos tempos de Jovem Guarda.

No inicio da década de 1990, Jerry se dedicou a um disco sobre as origens do rock, com o nome “Elvis Vive”. Em 1994, participou da novela “74.5 uma onda no ar”, exibida pela TV Manchete. Um ano depois, fez shows para comemorar os 30 anos da Jovem Gurda e participou como convidado especial de uma coletânea do estilo.

Em 1996, voltou à música italiana, com o disco CD “IO”. Em 1997, teve duas músicas em trilhas de novelas da Globo. “Engenho” fez parte da trilha de “A indomada”, e “Con te partiró”, dueto com a italiana Mafalda Minnozzi, foi parar na trilha de “Zazá”.

Versões de Legião Urbana

Também na década de 1990, saiu o disco “Forza Sempre” (1999). O trabalho tinha apenas músicas da Legião Urbana regravadas em italiano.

Foi um dos maiores sucessos da carreira de Jerry Adriani desde os tempos da Jovem Guarda. De acordo com o site oficial do cantor, bateu a marca de 200 mil cópias. De quebra, “Santa Luccia Luntana” foi bastante tocada na novela “Terra Nostra”.

O primeiro DVD da carreira foi gravado em 2007, no Canecão, no Rio. “Jerry Adriani Acústico Ao Vivo” trouxe sucessos e inéditas em formato acústico. Em 2011, lançou o CD “Pop, Jerry & Rock”, incluindo homenagem para Raul Seixas e Tim Maia na música “2012”. A ideia de cantar outros ícones da músicas brasileira e do rock rendeu ainda o show “Jerry toca Raul & Elvis”.

Em 2014, Jerry Adriani completou 50 anos de carreira. Ele seguia em turnê pelo Brasil.

 
Compartilhar

Corpos de nove mortos de chacina ocorrida em Colniza (MT) são identificados e liberados

Trabalhadores rurais foram vítimas de massacre em zona rural em Taquaruçu do Norte. Uma das hipóteses é que assassinos agiram a mando de fazendeiros.

Os nove trabalhadores rurais assassinados na última quarta-feira (19) em Taquaruçu do Norte, a 350 km de Colniza, município a 1.065 km de Cuiabá, foram identificados pela perícia. As vítimas são Izaul Brito dos Santos, de 50 anos, Ezequias Santos de Oliveira, 26 anos, Samuel Antônio da Cunha, 23 anos, Francisco Chaves da Silva, 56 anos, Aldo Aparecido Carlini, de 50 anos, Edson Alves Antunes, 32 anos, Valmir Rangeu do Nascimento, 55 anos e o pastor da Assembleia de Deus, Sebastião Ferreira de Souza, de 57 anos, foram torturados e mortos.

Ainda não há confirmação sobre os enterros das vítimas. Samuel, Francisco e Edson eram de Rondônia. Ezequias, Sebastião, Aldo, Fábio e Izaú são de Mato Grosso. A perícia suspeita que Valmir seja de Alagoas, mas isso ainda não foi confirmado.

A principal suspeita é que os homicídios tenham sido motivados por causa de conflito de terras. Uma das hipóteses é que fazendeiros da região tenham contratado capangas para cometer os crimes. As vítimas estariam iniciando um loteamento irregular, segundo a polícia. Os autores dos assassinatos seriam quatro homens encapuzados que entraram nos barracos erguidos na área e mataram quem estava neles. A segurança na região foi reforçada.

Segundo a perícia oficial, os corpos tinham sinais de tortura – algumas das vítimas foram amarradas e, outras, decapitadas. De acordo com a Polícia Civil, pelo menos dois trabalhadores foram assassinados a golpes de facão e, o restante, por tiros de espingarda calibre 12.

A área em que ocorreram as mortes é de difícil acesso. A Secretaria de Segurança Pública do estado disse que uma força-tarefa foi montada para trabalhar no caso, com 32 profissionais envolvidos, sendo 19 policiais militares, quatro policiais civis, três bombeiros, quatro peritos e dois pilotos do Cioaper (Centro Integrado de Operações Aéreas).

Compartilhar

“Não podemos ficar adiando soluções”, diz Bárbara Soeiro em Audiência Pública sobre Animais

A Câmara Municipal de São Luís realizou nesta quinta-feira (20), uma Audiência Pública: “A Questão Animal e Saúde Pública”, que aconteceu no plenário Simão Estácio da Silveira, proposta  pela Vereadora Bárbara Soeiro (PSC), contando com a presença da Secretária de Saúde, Helena Duailibe;  a Presidente da Comissão de Defesa e Proteção aos Animais da OAB, Dra. Camila Maia;  o Coordenador da Unidade de Vigilância a Zoonoses, Dr. João Batista; vereadores; ONGs; defensores da causa animal e sociedade em geral.

“É mais do que importante, se torna imperativo para nossa cidade, avançarmos em ações concretas e urgentes que proporcionem cuidado e políticas públicas voltadas à questão animal, principalmente dos animais abandonados, que chega a se tornar caso de Saúde Pública.Temos que ter a consciência que o animal é uma vida,  e essa vida quando mal tratada gera sofrimentos a ela e ao meio ambiente como um todo”, disse Bárbara.

A parlamentar ressaltou que diante da situação em que se encontram os animais, medidas e soluções devem ser tomadas na velocidade das necessidades, até mesmo pelo quantitativo de animais soltos  com problemas de todas as naturezas.

“Não podemos ficar adiando soluções para essa triste realidade que é um número de mais de 15 mil animais soltos nas ruas de São Luís, sujeitos a problemas de desnutrição, violência, doenças e morte, sendo  muitas das zoonoses perigosas e transmissíveis  ao homem. Temos que trabalhar, Poder Público, Ongs e sociedade em geral, cada um na sua responsabilidade, na efetivação de  soluções.E é isso que buscaremos com essa audiência de hoje, verificarmos quais são os entraves e partirmos para a superação desses obstáculos para assim podermos oferecer um resgate de qualidade de vida  ao animal e consequentemente também à população ludovicense”, relatou.

O encaminhamento proposto ao final da audiência, foi a formação de uma Comissão Especial em apoio a questão animal formada pelos vereadores Bárbara Soeiro, Pavão Filho, Marcial Lima e ainda os presidentes das ONGs: Amada, Bicho Feliz, Lar de Noé, Dindas Formiguinhas e Movimento de Proteção aos Animais;  médicos veterinários, representantes do executivo municipal e Dra. Camila Maia(OAB) para acompanhar de perto as ações em curso do executivo municipal e estadual.

Compartilhar

CAEMA responde ao vereador Cézar Bombeiro que a rede de esgoto do Promorar será recuperada até fevereiro de 2018

O diretor-presidente da Caema, Davi de Araújo Telles encaminhou correspondência ao vereador Cézar Bombeiro, informando-o sobre as demandas de uma reunião entre o vereador, a Diretoria de Comercialização e Relacionamento com Clientes e técnicos da Gerência de Negócios do Centro da Caema.

Cézar Bombeiro acompanhado de lideranças dos bairros Promorar e Liberdade, durante o encontro com equipes técnica da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão, fizeram apelos com vistas ao restabelecimento da rede de esgoto do Promorar e de áreas do bairro da Liberdade, que tem causado sérios problemas a comunidade, sendo a mais séria, a saúde das pessoas.

O dirigente maior da Caema informou ao vereador Cézar Bombeiro, que a área do Promorar deverá ter a rede de esgoto totalmente recuperada, registrando que os serviços estão inseridos nas obras do PAC o Subsistema Anil – Etapa 1, que tem a conclusão definida para fevereiro de 2018, deixando bem claro que toda a problemática atual deverá ser completamente resolvida. O vereador Cézar Bombeiro deverá voltar a se reunir com a comunidade do Promorar e suas lideranças, quando fará a socialização do comunicado e que todos devem estar atentos para a execução das obras.

Compartilhar

Comissão de Vereadores que visitou 36 escolas municipais de São Luís diz que o estado delas é de abandono e calamidade

 

Vereadores integrantes da Comissão de Defesa do Consumidor, Usuário e Contribuinte da Câmara Municipal de São Luís, visitaram nos últimos dias 36 escolas municipais em 26 comunidades, com vistas a interação social, percepção pedagógica e estruturais de todos estabelecimentos de ensino. A Comissão é presidida pelo vereador Francisco Chaguinhas e como membros os legisladores Marcial Lima, Cézar Bombeiro e Edson Gaguinho.

A iniciativa de fazer visita aos estabelecimentos de ensino de responsabilidade da Prefeitura de São Luís, surgiu depois do desabamento do telhado da escola Darcy Ribeiro, no bairro do Sacavém, diz o vereador Francisco Chaguinhas, registrando que apesar das constantes denuncias feitas, mesmo assim ele não acreditava que o problema era de calamidade. O caos é muito pouco para avaliarmos a realidade que encontramos nos 36 estabelecimentos e o mais grave é que são condições indignas para professores, alunos e todos os demais servidores municipais e que precisam ser enfrentadas pela Prefeitura de São Luís o mais rápido possível.

Todos os problemas são graves e dentre eles os mais emergenciais podem ser vistos claramente, como: telhados, instalações hidráulicas e sanitárias, portas, janelas. Reboco, pintura, esgotamento de fossas com péssimo odor, caixas d’agua como criadouros de aedes egypti e sucatas de carteiras, ventiladores, equipamentos de laboratórios e aparelhos de ar condicionado. Há casos nem os banheiros e cozinha ocupam espaços próximos em condições deprimentes, observou o vereador Francisco Chaguinhas.

O vereador Marcial Lima, não se manifestou surpreso com a realidade, diante das inúmeras denúncias que já havia recebido e outras que ele já conhecia, antes de criação da comissão e defende a imediata recuperação das unidades para que os alunos e professores possam aprender e ensinar.

Cézar Bombeiro lamentou profundamente a situação, que já conhecia e tem referências dolorosas no bairro da Liberdade. Ele destacou: Propus no parlamento, que os vereadores indistintamente se disponibilizem em ajudar fazendo alguma coisa para recuperar as escolas. Entendo que os conflitos ideológicos devem sofrer uma trégua e que concentremos esforços para possibilitar a que alunos e professores possam trabalhar em harmonia pelos conhecimentos.

Edson Gaguinho defende a recuperação rápida das escolas e que sejam transformadas em locais efetivos de aprendizado.

O relatório da Comissão de Defesa do Consumidor Usuário e Contribuinte deve encaminhar uma cópia do relatório ao presidente da Câmara Municipal, diz Francisco Chaguinhas, se colocando à disposição para ajudar e voltou a afirmar que as suas emendas parlamentares podem ajudar a recuperação de muitas escolas.

Compartilhar

Foto mostra que frota americana que estaria a caminho da Coreia viajou no sentido oposto

USS Carl Vinson foi fotografado a caminho de exercícios militares no Oceano Índico, a mais de 5.600 km da região. Porta-aviões e navios que o acompanham devem chegar à península coreana apenas no final de abril.

Diferente do que o governo norte-americano fez parecer, o porta-aviões Carl Vinson não foi para a península coreana em 8 de abril e não esteve perto do país em 12 de abril, quando o presidente Donald Trump disse que estava “enviando uma armada” e ameaçou atacar caso a Coreia do Norte executasse um teste com mísseis nucleares.
Segundo constataram os jornais “The New York Times” e “The Washington Post”, na verdade o Carl Vinson e outros quatro navios de guerra que o acompanham navegaram na direção oposta ao partir de Singapura no dia 8. No último fim de semana eles se encaminhavam para participar de exercícios conjuntos com a Marinha Australiana no Oceano Índico, a mais de 5.600 km a sudoeste da península coreana.
A localização foi confirmada porque, no sábado (15), a Marinha dos EUA divulgou uma foto oficial do Carl Vinson no Estreito de Sunda, informando que ele estava em sua rota para participar dos exercícios previamente agendados. Ao anunciar a ida à Coreia, os EUA afirmaram que a viagem à Austrália tinha sido cancelada.

De acordo com o “Washington Post”, na segunda-feira (17), o porta-voz da Frota do Pacífico, comandante Clayton Doss, disse apenas que o USS Carl Vinson e os navios que o acompanham estavam “transitando pelo Pacífico Ocidental”. Ele se recusou a fornecer uma localização precisa, mas descartou que eles estivessem nas águas ao redor da Coreia do Sul ou do Japão.

De qualquer forma, a frota tem uma viagem para a Coreia do Sul programa ainda para o mês de abril. A chegada está prevista para o dia 25, e segundo o jornal sul-coreano “The Korea Herald” os navios devem participar de uma simulação da marinha local em reação a um ataque da Coreia do Norte. Militares norte-americanos ouvidos pela CNN também afirmam que o Carl Vinson e seus acompanhantes devem chegar à península coreana no final de abril, sem informar quais serão suas atividades na região.

Compartilhar

Idade mínima para policial se aposentar deve ficar em 55 anos, diz relator

Arthur Maia (PPS-BA), relator da proposta de reforma da Previdência, deu informação nesta terça, após reunião com deputados. Idade valerá para policiais federais, rodoviários federais e ferroviários.

O relator do projeto que estabelece a reforma da Previdência Social, deputado Arthur Maia (PPS-BA), afirmou nesta terça-feira (18) que a idade mínima para policiais federais, rodoviários federais e ferroviários poderem se aposentar deverá ficar em 55 anos.

Inicialmente, o parecer de Maia sobre o projeto seria apresentado nesta terça à comissão especial que discute a reforma, mas a apresentação foi adiada para esta quarta (19).

Ao explicar a idade mínima para os policiais civis e federais, Arthur Maia informou que a ideia é, depois, vincular as categorias à idade mínima que vier a ser estabelecida para policiais militares e integrantes das Forças Armadas (o governo já informou que deverá enviar em maio a proposta de reforma da Previdência dos militares).

“Temos um caso muito próprio para os policiais. O que estamos tentando fazer um desenho é estabelecer agora já uma idade mínima. Não pode deixar de ter idade mínima. A idade mínima seria algo em torno de 55 anos, que é o mesmo que está valendo para as outras categorias”, afirmou Arthur Maia nesta terça.

Ele deu a informação após participar de uma reunião com um grupo de deputados e representantes das categorias.

“Agora, temos uma outra realidade e que os policiais, com uma certa razão, fazem questão, de fazer uma vinculação à PEC [proposta de emenda à Constituição] que vai tratar dos militares”, acrescentou.

A idade mínima

O texto original da reforma da Previdência previa idade mínima de 65 anos para homens e mulheres poderem se aposentar.

No caso de policiais civis e federais, Arthur Maia, porém, já havia reduzido a idade mínima das categorias para 60 anos, com 25 anos de contribuição, e 20 anos em “atividade de risco na respectiva categoria”.

Na tarde desta terça, um grupo de policiais invadiu uma das entradas do Congresso Nacional em ato contra a reforma da Previdência. Com o tumulto, vidros foram quebrados e a Polícia Legislativo reagiu com spray e bombas.

Ao falar sobre a idade mínima para os policiais, Arthur Maia disse que ainda estuda como irá a regra no parecer.

“Estamos tentando construir uma coisa que conste o seguinte: na regra transitória, os policiais iniciam com idade 55 anos e estamos vendo como faremos a vinculação, já que existe o compromisso do governo de mandar para o mês de maio a lei que vai tratar da aposentadoria dos militares. Aí, faríamos vinculação da regra permanente do policial com a dos militares, afinal de contas, são esforços físicos semelhantes”, explicou.

Compartilhar

Câmara rejeita acelerar tramitação da reforma trabalhista

Deputados analisaram requerimento de urgência, mas pedido, que precisava de 257 votos favoráveis, recebeu 230. Com rejeição, prazo para emendas está mantido e termina na semana que vem.

O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou nesta terça-feira (18) um requerimento de urgência que, se tivesse sido aprovado, aceleraria a tramitação do projeto que estabelece a reforma trabalhista.

Para que o pedido fosse aprovado, eram necessários, pelo menos, 257 votos favoráveis à urgência, mas o requerimento recebeu 230 votos, além de outros 163 contrários. O requerimento foi assinado pelo líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP), e por mais 14 líderes de partidos da base aliada do governo.

Com a rejeição do requerimento de urgência, a comissão especial que discute o tema terá de aguardar o prazo estabelecido para apresentação de emendas, sugestões dos parlamentares à proposta, que termina na semana que vem.

Segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se o requerimento tivesse sido aprovado, a proposta seria votada comissão especial na próxima terça (25) e, em plenário, na quarta (26).

Somente após esse prazo para apresentação de sugestões é que o relator do projeto, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), poderá apresentar o parecer dele sobre a reforma. O documento, que ainda terá de ser discutido e votado na comissão, já foi lido, mas serviu somente para que os parlamentares tivessem conhecimento do conteúdo.

A sessão

A votação do requerimento de urgência aconteceu em meio a protestos dos partidos de oposição, contrários a pontos da reforma trabalhista.

Durante a sessão, Rodrigo Maia se levantou por alguns minutos da cadeira de presidente e a deputada Luiza Erundina (PSOL-SP) sentou-se no lugar dele e, conduzindo a sessão, disse: “Com a palavra, o deputado Rogério Marinho, relator dessa desgraça”, o que gerou reações de diversos deputados.

Ao retornar à mesa da presidência, Maia tentou convencer Erundina a deixar o lugar e encerrou a a votação.

Rodrigo Maia

Após o requerimento ser rejeitado, Rodrigo Maia disse que encerrou a votação em um momento equivocado e que poderia ter esperado outros cerca de 50 deputados que estavam na Câmara votarem.

Compartilhar

Liberdade pede ao vereador Cézar Bombeiro a regularização fundiária do bairro e ele diz que o requerimento está em poder do vereador Paulo Vitor

O vereador Cézar Bombeiro, por residir no bairro da Liberdade e interagir diariamente com os mais diversos segmentos sociais é sempre cobrado pela população sobre questões debatidas na comunidade e levadas por ele para o parlamento municipal. A questão da regularização fundiária  se tornou uma luta, desde quando o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, em campanha para o seu primeiro mandato prometeu fazer a regularização fundiária de todo o bairro, o que lhe garantiu importante apoio. Com a sua eleição, o dirigente municipal, além de não honrar o compromisso sumiu do bairro.

O hoje vereador Cézar Bombeiro, quando presidente da Associação Desportiva, Cultural, Recreativa e Social do Bairro da Liberdade, através de expediente com abaixo assinado encaminhou o pedido ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior, lembrando inclusive sobre o compromisso assumido com a população do bairro, relatando inclusive como grande aspiração de toda a comunidade.

Depois de um bom período, o hoje vereador Cézar Bombeiro recebeu correspondência do Secretário Adjunto de Governo da Prefeitura de São Luís, Milton Lima Calado, informando que de acordo com consulta feita à Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação, instituição da própria Prefeitura  e responsável pela promoção da regularização fundiária de bens imóveis de São Luís, de que há impossibilidade para o atendimento ao pleito da comunidade do bairro da Liberdade. Afirmou na correspondência que a maioria dos terrenos do bairro da Liberdade está abaixo da cota 11, portanto fora do regime de aforamento da Prefeitura de São Luís, sem qualquer especificação clara sobre o que se trata cota 11.

Diante da seriedade do problema, levando-se em conta que o prefeito não honrou com a promessa feita ao povo da Liberdade e descartar qualquer iniciativa para a resolução para as aspirações populares, o vereador Cézar Bombeiro voltou à cena com o apoio massivo da comunidade e requereu a Mesa Diretora da Câmara Municipal a realização de uma audiência com a participação da comunidade do bairro da Liberdade e várias outras com vistas a que sejam encontrados efetivos com a intervenção de instituições estaduais e federais se for o caso, em busca da tão sonhada regularização fundiária.

Quando da votação do pedido de Audiência Pública para tratar da Regularização Fundiária da Liberdade e de vários outros bairros, o vereador Paulo Vitor pediu vistas do requerimento sem levantar qualquer questionamento e corretamente a mesa acatou. O vereador Cézar Bombeiro aguarda para esta semana o retorno do requerimento para a conclusão da votação, o que foi explicado por ele às lideranças e dirigentes de entidades. Cézar Bombeiro também espera que o vereador Paulo Vitor dê sugestões proveitosas para a audiência pública, assim como outros vereadores, afinal de contas todos têm o dever de defesa dos direitos e interesses coletivos.

Compartilhar

Mais rigor na venda de carnes em São Luís

O secretário municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento, Ivaldo Rodrigues, informou nesta terça-feira, 18, em entrevista ao programa Bom Dia Maranhão, da TV Difusora, que o comércio da venda de carnes em São Luís passará a ter fiscalização mais rigorosa, com disciplinamento do sistema de comercialização dos mercados, nas próximas semanas. O objetivo é desmontar os pontos de abate clandestino na capital maranhense.
Ivaldo participou de uma reunião com equipes da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento, Ministério Público do Maranhão, agentes da Polícia Civil e representantes de supermercados, para discutir as estratégias de controle e rigor nas fiscalizações.
“Nós queremos acabar com o abate clandestino em São Luís, porque traz uma série de problemas, principalmente no ponto de vista da saúde pública”, destacou o secretário.
Ele ressaltou que são 30 pontos deste tipo de abate identificados na região metropolitana da Grande Ilha, sendo 16 apenas em São Luís. O abate clandestino implica em carne de baixa qualidade, por não passar por nenhuma inspeção no processo até chegar à mesa do consumidor.
O trabalho dos órgãos também será de reforçar aos supermercados a importância de não comercializarem carne sem selo de inspeção prévia. “Nosso próximo passo é realizar operações para fechar os pontos de abate clandestino”, informou o secretário.
Compartilhar