Zé Inácio articula reunião com a Sedihpop para tratar ordem de despejo dos moradores do “Residencial Nova Era”

Atendendo a um pedido dos moradores do “Residencial Nova Era”, o Deputado Estadual Zé Inácio (PT) articulou nesta terça-feira 24/10, uma reunião com o Secretário Estadual de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves.

O deputado Zé Inácio apresentou a situação dos moradores e se mostrou preocupado com as 300 famílias, que receberam a decisão judicial com ordem para saírem das casas a partir desta quinta-feira, 26/10. E que caso essa ordem não seja cumprida voluntariamente, poderia ser realizada de forma coercitiva pela Polícia Militar.
O Secretário informou que todas as situações de despejo são realizadas de acordo com o Plano Nacional de Combate à Violência no Campo, e em acordo com a Lei Estadual nº. 10.246, de 29 de maio de 2015, que visam ordenar os processos de mediações, evitando assim a ocorrência de conflitos em áreas urbanas e no campo.
A ação foi ajuizada pela Cooperativa Habitacional do Grupo Comunitário Independente-COOPHAB. O Deputado Zé Inácio solicitou que sejam tomadas pela parte as medidas de prevenção e assistência necessárias para o cumprimento da decisão judicial, conforme a Lei estadual. E que também a Prefeitura do município de São José de Ribamar realize o levantamento cadastral das famílias que ocupam a área, identificando aquelas cujo perfil se encaixa em programas e políticas habitacionais do Estado, para que elas não fiquem em estado de vulnerabilidade social.
Para a solução do conflito, os moradores protocolaram um ofício junto a Sedihpop, requerendo que sejam observadas e cumpridas as normas da lei durante o cumprimento da ordem judicial, a fim de evitar a violação dos direitos dos moradores.
A reunião foi acompanhada pelo Supervisor de Proteção Jorge Serejo, e a Supervisora Amanda Costa da Sedihpop, e os moradores Claudio Mauro Santos Silva, Maria José, Francisco Barbosa de Moraes, Gardênia Correa Moraes, Carlione Costa da Silva, Luana da Conceição Oliveira Brito.
Compartilhar

Prefeitura fomenta participação de agricultores em PAA do Exército visando a geração de renda

Garantir a autonomia no trabalho dos agricultores familiares de São Luís e fortalecer o escoamento da produção rural. Foi com este objetivo que a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), estimulou os produtores cadastrados na secretaria a integrar o certame da chamada pública para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do Exército Brasileiro.
Através do PAA do Exército, será realizada a aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural, destinados para a alimentação dos militares do 24° Batalhão de Infantaria de Selva (24º BIS). Os alimentos também serão designados ao Programa Força no Esporte (Profesp), por meio dos cinco polos agrícolas beneficiados, gerando mais renda para os trabalhadores rurais. O contrato entre o Exército e os produtores rurais foi assinado na tarde de segunda-feira (23).
A iniciativa vem somar com outras ações da Prefeitura em prol do desenvolvimento e fortalecimento da agricultura familiar. Uma delas é o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), implantado desde a primeira gestão do prefeito Edivaldo e executado pela Secretaria Municipal de Segurança Alimentar (Semsa) que colabora com a redução da insegurança alimentar de famílias carentes com distribuição de cestas de alimentos à famílias atendidas pelos Centros de Referência e Assistência Social (Cras), ao mesmo tempo em que estimula a produção agrícola familiar.
Para o titular da Semapa,Ivaldo Rodrigues, essa nova conquista mostra a preocupação da gestão do prefeito Edivaldo com o trabalhador do campo. “Conquistamos mais esse avanço para o escoamento da produção agrícola familiar, que é uma determinação do prefeito Edivaldo, o fortalecimento constante no trabalho dos produtores rurais da capital, que agora com esse novo canal de vendas podem pensar em aumentar a produção e terem mais qualidade de vida”, disse Ivaldo Rodrigues.
O tenente coronel do 24º BIS, Marcus Vinicius Guimarães de Oliveira destaca o papel fundamental da Prefeitura por meio da Semapa para o sucesso da chamada pública. “Ficamos agradecidos com o pronto atendimento da gestão, e todo o apoio logístico, de encurtar o caminho aos empreendedores rurais agrícolas que se inscreveram nesse processo, que auxilia no fomento à produção familiar da zona rural, trazendo mais dignidade a esse povo trabalhador”, destaca o tenente coronel do exército.
Fazem parte da lista de produtos alimentícios agroecológicos que deverão ser entregues semanalmente no setor de aprovisionamento do 24º BIS, frutas, verduras, legumes, raízes, temperos, folhagens, mel, polpas, ovos e farinha. Os fornecedores são cooperativas, associações e organizações individuais, que detém a Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP), do Governo Federal.
Um dos beneficiados com o PAA foi o agricultor Antônio José Ferreira, que também é presidente da Associação dos Agricultores Rurais do Coquilho. “Em nome de todos os agricultores, quero agradecer o incentivo fundamental para o crescimento da nossa atividade. A cada dia dá mais orgulho de ser produtor rural em nossa cidade”, destacou.
O prazo de vigência para aquisição dos gêneros alimentícios da agricultura familiar será de 12 meses, podendo ser prorrogado por igual período até o limite máximo de 70 meses.
Compartilhar

As imagens do incêndio que há nove dias devasta a Chapada dos Veadeiros

Devastação pelas chamas no parque nacional em Goiás já destruiu mais de 26% da área da unidade de conservação.

Incêndio atinge Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros há nove dias (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)

Uma das mais importantes unidades de conservação do país, a Chapada dos Veadeiros, em Goiás, tem sido consumida por um incêndio de grandes proporções há nove dias. Um quarto do parque já foi devastado, a despeito dos esforços de 200 brigadistas que se revezam no combate às chamas, ainda sem controle.

O cenário à noite, com focos de fogo espalhados em meio à vegetação, parece com o de um vulcão em atividade, afirmam eles.

Voluntários e bombeiros combatem incêndio na Chapada dos Veadeiros (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)

Foho já destruiu 26% da área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)

Segundo afirmou à BBC Brasil o chefe da unidade, Fernando Tatagiba, o incêndio começou com um ato criminoso. “Não existe a possibilidade de combustão espontânea nessa região, e 100% dos incêndios na seca no cerrado são provocados pelo homem”.

De acordo com Tatagiba, apenas raios podem ser considerados causa natural de incêndio, mas não chove na área há mais de um mês.

A ação humana, porém, tem mostrado sua face positiva diante do incêndio: desde o início do incidente, centenas de mais de 200 pessoas, entre brigadistas e voluntários, têm trabalhado 24 horas por dia na tentativa de conter as chamas.

Elas se revezam no manuseio de abafadores (equipamento em formato de pá que ajuda a apagar o fogo), transporte de água aos locais incendiados e monitoramento do avanço das chamas.

Entre os voluntários está o fotógrafo paulista Davi Boarato, de 34 anos, autor das imagens que ilustram essa reportagem. Há pelo menos uma semana ele se reveza entre a câmera fotográfica e o abafador.

Incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros ocorre há nove dias (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)

“O fogo começou a chegar bem perto da minha casa e dos meus vizinhos. Numa noite, vi o fogo descendo morro abaixo”, relembrou o fotógrafo. “Ficamos de 1h até as 8h30 trabalhando, e depois veio outro grupo.”

Incêndiu destruiu 26% da área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)
Voluntários participam do combate ao fogo que atinge a Chapada dos Veadeiros (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)
Moradores aprendem sobre como cuidar de animais feridos pelo fogo na Chapada dos Veadeiros (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)

Mobilização

Pessoas estão se juntando para montar kits de alimentos para brigadistas e voluntários. No WhatsApp, grupos trocam informações, uma casa virou uma “central” de mobilização e gente de Brasília está fazendo bate-volta para ajudar.

“O mais triste é ver a fauna se perdendo. Vemos ovos de passarinhos queimados, já marrons. A estrada está um silêncio e há um vazio meio chocante”, conta o fotógrafo, que tem acompanhado workshops de funcionários do zoológico de Brasília em seu trabalho de resgate de animais feridos que fugiram das chamas.

Combate ao incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros envolve mais de 100 bombeiros Goiás Alto Paraíso (Foto: Davi Boarato/BBC Brasil)

O incêndio no parque nacional levou até mesmo a Nasa, agência espacial americana, a se pronunciar. De acordo com a instituição, o bioma vem sendo devastado de forma mais acelerada que a Amazônia.

A Nasa lamentou o fato e afirmou que a “área é ecologicamente importante não só para o Brasil como para o mundo, com 10 mil espécies de plantas – 45% delas únicas à região”.

 

Compartilhar

Aécio avisa ao PSDB que não renunciará à presidência do partido

Após se reunir com deputados e senadores, Aécio Neves avisou ao PSDB que não renunciará à presidência do partido. Ele se licenciou do cargo em maio, após as delações da JBS.

Embora tenha informado que não renunciará, ele pretende seguir licenciado até dezembro, quando a convenção nacional do PSDB escolherá um novo presidente. Na prática, se isso se confirmar, Aécio não retornará ao comando do partido.

 

Desde Maio, o PSDB tem sido comandado de maneira interina pelo senador Tasso Jereissati.

 

Com a resposta de Aécio, Tasso deverá permanecer presidente interino do PSDB até a votação interna. Ele já recebeu apelos para disputar o comando do partido.

 

Antes da reunião, Tasso avaliava a possibilidade de deixar a presidência interina do PSDB caso Aécio insistisse em não renunciar. Mas, durante a reunião desta quarta, o senador decidiu ficar no exercício da função.

Compartilhar

Votação do PSDB na denúncia complica situação de Imbassahy

Integrantes da articulação política do governo avaliam que o placar desfavorável na bancada do PSDB na votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer deve fragilizar ainda mais a situação do ministro Antonio Imbassahy, da Secretaria de Governo.

Entre os tucanos, foram 23 votos contrários e 20 favoráveis ao relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), pelo arquivamento da denúncia.
Há forte pressão entre integrantes da base aliada pela mudança no primeiro escalão, com a saída de Imbassahy da Secretaria de Governo e a diminuição do espaço do PSDB, que tem quatro ministérios.

Já no PSDB, a percepção é de que a ação do senador Aécio Neves, presidente licenciado da legenda, acabou tendo efeito contrário.

 

“O governo apostava que a ação de Aécio na bancada iria mudar votos. Pelo jeito, não deu certo”, disse ao Blog o líder do PSDB, deputado Ricardo Trípoli (SP).

Compartilhar

Por 251 votos a 233, Câmara rejeita enviar ao STF segunda denúncia contra Temer

Presidente foi denunciado pela PGR pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. Com a decisão da Câmara, processo ficará parado no STF enquanto Temer exercer o mandato.

O presidente Michel Temer, em imagem desta quarta-feira (25), após deixar hospital em Brasília (Foto: Eraldo Peres/AP)

Após 12 horas e 20 minutos de sessão, a Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira (25), por 251 votos a 233 (com duas abstenções e 25 ausentes), enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR).

Temer foi denunciado pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. A denúncia rejeitada pela Câmara também inclui os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral), acusados de organização criminosa.

Os 251 votos alcançados por Temer ficam abaixo da previsão do governo, anunciada nos últimos dias, que estimava entre 260 e 270 votos favoráveis. Na primeira denúncia que a Câmara derrubou (por corrupção passiva), em agosto,Temer obteve 263 votos (227 contra).

O placar desta quarta-feira é inferior, inclusive, ao mínimo de votos necessários para a aprovação de um projeto de lei complementar (257) ou para aprovar uma proposta de emenda à Constituição (308 votos), como a reforma da Previdência, uma das prioridades do governo.

Com a decisão, os deputados livraram Temer de responder ao processo no Supremo Tribunal Federal (STF) durante o mandato. Caso fosse instalado, o processo provocaria o afastamento do presidente por até 180 dias.

Agora, Temer responderá na Justiça somente após a conclusão do mandato, em 31 de dezembro de 2018.

A sessão se arrastou por várias horas graças a uma estratégia da oposição de não registrar presença no plenário e retardar a votação ou, até mesmo, conseguir adiar a sessão.

O quórum só foi atingido por volta das 17h, quase oito horas depois do início da sessão (leia mais sobre a sessão ao final da reportagem).

Para garantir o resultado favorável, o governo atuou em várias frentes, como a liberação de emendas para a base aliada e a exoneração de ministros que detêm cargo de deputado para que pudessem votar também.

Às 20h34, a base aliada de Temer conseguiu reunir os 172 votos necessários (entre votos “sim”, abstenções e ausências de deputados) para barrar o andamento da denúncia.

Mas, para que a sessão fosse validada, eram necessários os votos de, pelo menos, 342 dos 513 parlamentares, o que ocorreu às 20h51.

Relator e defesa

Ao analisar a denúncia contra Temer nesta quarta, os deputados aprovaram o relatório da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), elaborado pelo deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia.

A sessão foi aberta às 9h19 e, logo no início, o relator usou a tribuna para defender o parecer. Em seu discurso, Bonifácio defendeu que a denúncia é “inteiramente falsa e esvaziada”.

Em seguida, as defesas de Michel Temer, de Eliseu Padilha e de Moreira Franco também se manifestaram e atribuíram à denúncia “viés político”.

O advogado de Temer, Eduardo Carnelós, disse que a denúncia não apresentou provas e “mancha” a imagem da PGR.

Daniel Gerber, que defende Eliseu Padilha, argumentou que não há nenhum fato relacionado ao ministro na denúncia. Para ele, a peça é uma tentativa de criminalizar a política.

Por último, ao fazer a defesa do ministro Moreira Franco, o advogado Antônio Pitombo afirmou que a PGR apresentou uma denúncia “sem fato e sem tipicidade de crimes”.

Sessão

Na fase de debates, apenas alguns parlamentares da base aliada se revezaram na tribuna. Ninguém da oposição falou para que não fosse registrada a presença no plenário.

Essa etapa foi encerrada antes do meio-dia, mas, diante da articulação dos partidos de oposição, a sessão se arrastou por algumas horas à espera de que fosse atingido o quórum mínimo de 342 deputados para dar início à fase de votação. Esse número só foi atingido às 17h02.

“A nossa estratégia era levar a votação para a noite, que é tudo o que eles não queriam, quando grande parte da população está em casa de volta do trabalho. Penso que isso foi uma vitória grande. A unidade das oposições foi uma coisa rara, que não conseguimos na outra votação”, comemorou o líder da minoria, José Guimarães (PT-CE).

Às 20h34, a base aliada de Temer conseguiu reunir os 172 votos necessários (entre votos “sim”, abstenções e ausências de deputados) para barrar o andamento da denúncia.

Mas, para que a sessão fosse validada, eram necessários os votos de, pelo menos, 342 dos 513 parlamentares, o que ocorreu às 20h51.

Relator e defesa

Ao analisar a denúncia contra Temer nesta quarta, os deputados aprovaram o relatório da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), elaborado pelo deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia.

A sessão foi aberta às 9h19 e, logo no início, o relator usou a tribuna para defender o parecer. Em seu discurso, Bonifácio defendeu que a denúncia é “inteiramente falsa e esvaziada”.

Em seguida, as defesas de Michel Temer, de Eliseu Padilha e de Moreira Franco também se manifestaram e atribuíram à denúncia “viés político”.

O advogado de Temer, Eduardo Carnelós, disse que a denúncia não apresentou provas e “mancha” a imagem da PGR.

Daniel Gerber, que defende Eliseu Padilha, argumentou que não há nenhum fato relacionado ao ministro na denúncia. Para ele, a peça é uma tentativa de criminalizar a política.

Por último, ao fazer a defesa do ministro Moreira Franco, o advogado Antônio Pitombo afirmou que a PGR apresentou uma denúncia “sem fato e sem tipicidade de crimes”.

Sessão

Na fase de debates, apenas alguns parlamentares da base aliada se revezaram na tribuna. Ninguém da oposição falou para que não fosse registrada a presença no plenário.

Essa etapa foi encerrada antes do meio-dia, mas, diante da articulação dos partidos de oposição, a sessão se arrastou por algumas horas à espera de que fosse atingido o quórum mínimo de 342 deputados para dar início à fase de votação. Esse número só foi atingido às 17h02.

“A nossa estratégia era levar a votação para a noite, que é tudo o que eles não queriam, quando grande parte da população está em casa de volta do trabalho. Penso que isso foi uma vitória grande. A unidade das oposições foi uma coisa rara, que não conseguimos na outra votação”, comemorou o líder da minoria, José Guimarães (PT-CE).

O presidente Michel Temer deixa hospital em Brasília (Foto: Evaristo Sa/AFP)

Temer internado

Enquanto os deputados aguardavam o quórum no plenário, uma notícia causou rebuliço entre os presentes: o presidente Michel Temer sofreu um mal-estar e precisou ser levado às pressas no Hospital do Exército, em Brasília, para um procedimento urológico.

Para tranquilizar os colegas, o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), foi ao microfone dizer que não era nada grave.

Do lado de fora do plenário, partidos de oposição fizeram ao longo do dia diversos atos pelas dependências da Câmara. Em um deles, carregaram uma grande faixa com a inscrição “Fora Temer” pelo Salão Verde.

Compartilhar

Pesquisas indicam vitória de coalizão de Shinzo Abe em eleições legislativas do Japão

Dados são das pesquisas de boca de urna.

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe acena a apoiadores durante campanha para as eleições legislativas em Toquio (Foto: AP Photo/Shizuo Kambayashi)

O chefe do governo japonês, Shinzo Abe, obteve uma ampla vitória nas eleições legislativas antecipadas deste domingo (22), segundo pesquisas de boca de urna.

O Partido Liberal Democrata (PLD) conseguiu o voto de cerca de 300 deputados dos 465 que foram à Câmara Baixa do Parlamento, de acordo com a pesquisas, segundo a agência EFE. Estes números garantem a manutenção da maioria absoluta para Abe, que busca a reeleição para o cargo.

Mais de 106 milhões de japoneses foram chamados às urnas, convocadas no começo do mês de forma antecipada pelo premiê, que justificou a decisão pela necessidade de fortalecer o seu governo para continuar implementando o seu programa econômico e perante a ameaça da Coreia do Norte.

Um total 1.180 candidatos de 15 partidos diferentes concorreram às 465 cadeiras da Câmara Baixa, controlada nos últimos cinco anos pelo Partido Liberal Democrata (PLD) de Abe e por seu parceiro de Governo, o budista Komeito.

O partido de Abe obteve nas eleições legislativas anteriores 291 cadeiras e o seu parceiro de Governo, o Novo Komeito, 35, o que permitiu à atual coalizão governante dominar dois terços da Câmara.

Os analistas concordam em que o premiê convocou um ano antes do previsto estas eleições para aproveitar a fraqueza da oposição e a alta na sua abalada popularidade, graças à crise em relação aos mísseis do regime norte-coreano de Kim Jong-un.

Nestas eleições dois novos partidos, criados após a convocação das eleições no final de setembro, querem se converter na segunda maior força do país.

O Partido Constitucional Democrático de Japão (PCDJ), liderado por Yukio Edano, e que é uma cisão do extinto Partido Democrático (PD), que até agora liderava a oposição.

Além disso, concorreu o Partido da Esperança, criado pela popular governadora de Tóquio, Yuriko Koike, com a mensagem de superar a velha política japonesa.

Estes são as primeiras eleições nas quais os cidadãos de 18 e 19 anos puderam votar após a reforma da lei que estabelecia a idade legal de voto nos 20 anos.

Compartilhar

Roberto Rocha reforça red de saúde de Arame e Santo Amaro…

Recursos para aprimoramento dos hospitais foram viabilizados por meio de emenda parlamentar de 2017 do senador; Valores já estão empenhados.

O Ministério da Saúde empenhou na última sexta-feira, 13, R$ 384,7 mil de recursos obtidos pelo senador Roberto Rocha (PSDB-MA) para compra de modernos equipamentos e materiais de ponta para hospitais dos municípios de Arame e Santo Amaro.

O empenho dos valores é fruto de emenda individual do parlamentar ao Orçamento Geral da União (OGU) 2017.

“Estamos fazendo a nossa parte no sentido de aprimorar, a cada dia, o atendimento às pessoas, a fim de que disponham, na rede pública, um atendimento digno e de qualidade nos serviços oferecidos pelo SUS”, destacou.

Isso significa que o governo federal, por meio de articulações políticas do senador, assegurou que o dinheiro será liberado para os cofres das duas prefeituras.

Para o Hospital Municipal de Arame foram viabilizados R$ 200 mil para compra de aparelhos de última geração, como desfibrilador convencional e um eletrocardiógrafo portátil. A emenda também será usada para aquisição de cadeiras de rodas e 35 camas hospitalares.

Em Santo Amaro do Maranhão, o senador destacou R$ 184,7 mil para que a prefeitura comprasse equipamentos e materiais modernos para melhorar o hospital municipal. O recurso será usado na compra de um ultrassom diagnóstico digital de alta resolução para realização de exames básicos e de ginecologia/obstetrícia.

“Queremos que as mulheres humildes e carentes tenham o mesmo acesso e atenção das pacientes que possuem condições de irem a rede particular”,afirmou o senador maranhense.

Para o município também está previsto a aquisição de bisturi elétrico, berços para recém-nascidos, entre outros equipamentos imprescindíveis.

Compartilhar

Aeronave do Greenpeace cai na região de Anavilhanas, no AM; uma pessoa morreu

Outras quatro pessoas ficaram feridas, de acordo com o Greenpeace.Não há informações sobre as causas do acidente.

Acidente ocorreu no Arquipélago de Anavilhanas (Foto: Raul De Paula/Arquivo Pessoal)

Uma aeronave do Greenpeace caiu nesta terça-feira (17) na região do Arquipélago de Anavilhanas, próximo à cidade de Novo Airão, interior do Amazonas, informou a Força Aérea Brasileira (FAB). De acordo com a Polícia Civil, uma sueca, de 29 anos, morreu. Outras quatro pessoas ficaram feridas. Não há informações sobre as causas do acidente.

A Força Aérea Brasileira informou ao G1 que a queda ocorreu por volta das 11h (13h horário de Brasília). O avião envolvido no acidente é um Cessna Caravan 208, matrícula PR MPE, anfíbio.

Corpo de sueca chegou em lancha no píer do Tropical, na Zona Centro-oeste de Manaus (Foto: Patrick Marques/G1 AM)

Uma equipe do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VII) será enviada ao local para apurar as causas do acidente.

Em nota, o Greenpeace informou que está “concentrando todos os nossos esforços em prestar assistência às vítimas e suas famílias e também em colaborar com os órgãos competentes que estão investigando o fato.” O texto informa ainda que a ONG está em luto.

O Consulado da Suécia em Manaus informou, por meio de nota, que “está tomando todas as providências cabíveis quanto ao acidente com uma cidadã Sueca (…) Seguimos orientações da Embaixada Sueca em Brasília e todos os procedimentos formais já estão sendo efetuados”.

Avião que caiu nesta terça-feira (17) é do Cessna Caravan 208, anfíbio (Foto: Erica Harrison/Greenpeace)

A Marinha, por meio do 9º Distrito do Comando Naval, afirmou que deslocou uma aeronave para fazer o reconhecimento aéreo do local e uma lancha com uma equipe de Inspeção Naval da Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (CFAOC) para apurar o caso. Um inquérito será instaurado para apurar as causas, circunstâncias e responsabilidades do ocorrido.

Uma aeronave do mesmo modelo caiu na região de Manaus em julho de 2015. Na ocasião, o piloto e um passageiro, únicos tripulantes da aeronave, não tiveram ferimentos graves.

Acidente aéreo ocorreu em Anavilhanas (Foto: Arte/G1 )

Corpo chega a Manaus

O corpo da sueca vítima do acidente chegou a Manaus na tarde desta terça-feira e foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). O trajeto do local do acidente até a capital foi feito em uma lancha.

“A informação que tenho é que eles faziam reconhecimento da área em Anavilhanas quando o acidente aconteceu. Não sabemos a causa do acidente. Eram cinco pessoas. Uma foi a óbito e outras quatro levadas para hospitais. A que morreu era uma sueca de 29 anos. Ela não teve o nome divulgado ainda porque a família ainda não sabe”, explicou o delegado Miguel Ribeiro, do 19° DIP, que acompanhou a chegada do corpo na capital.

Corpo de vítima de acidente aéreo chegou a Manaus durante a tarde (Foto: Patrick Marques/G1 AM)

Compartilhar

Deputados levam a crer que Márcio Jardim caiu da Sedel pelos seus méritos. Que coisa!

A partir dos pronunciamentos dos parlamentares, chega-se à conclusão que Márcio Jardim caiu pelas suas qualidades e méritos. Como diria um secretário de Estado xará do agora “ex” da Sedel: Que coisa!

Ontem, durante sessão plenária na Assembleia Legislativa, os deputados Rogério Cafeteira (PSB), Roberto Costa (PMDB) e Othelino Neto (PCdoB) elogiaram o desempenho do professor Márcio Jardim (PT) frente ao período que esteve no comando da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Sedel).

Coube ao líder do governo Rogério Cafeteira inciar os elogios ao ex-secretário afirmando que: “Márcio Jardim à frente da Sedel ele fez um grande trabalho. E tenho certeza de que, como um guerreiro, como um lutador, vai seguir seu caminho com o PT, cerrando fileiras junto ao governador Flávio Dino em 2018 e tenho certeza, também, que como um lutador ainda será agraciado com grandes vitórias”.

Em seguida, o “sarneysista” Roberto Costa reforçou as palavras do líder governista ao afirmar: “Márcio Jardim é um companheiro nosso antigo, que sempre militou dentro do movimento estudantil, dos movimentos sociais em São Luís, apesar de nossas posições políticas sempre de lados opostos, mas sempre mantivemos o respeito e admiração. E o Márcio, eu sempre dizia que ele precisava de uma oportunidade para mostrar toda sua capacidade, a sua competência e o seu compromisso com o estado do Maranhão. E ele, como secretário de Esporte, fez um grande trabalho à frente da Sedel”.

Por fim, o vice-presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Othelino Neto arrematou: “Não poderia deixar de registrar com veemência o papel, o trabalho feito pelo agora ex-secretário Márcio Jardim à frente da Secretaria de Esportes. Márcio Jardim é um quadro político de grande valia, que cumpriu bem a sua missão, agora cumprirá outra missão. E certamente o fará com a competência de sempre. “.

Blog do Robert Lobato não tem quaisquer motivos para duvidar da sinceridade dos referidos parlamentares, pelo contrário, até reforçaria as loas ao professor Márcio Jardim. Aliás, este humilde blogueiro já havia elogiado o desempenho do petista como gestor da Sedel,embora, também, tenha criticado práticas questionáveis de alguns dos seus auxiliares mais próximos – lamentavelmente perdemos alguns post nos arquivos por irresponsabilidade do antigo serviço de hospedagem do nosso blog.

O fato é que, a partir dos pronunciamentos dos parlamentares acima, chega-se à conclusão que Márcio Jardim caiu da Sedel pelas suas qualidades e méritos.

Como diria um certo secretário de Estado xará do agora “ex” da Sedel: Que coisa!

Compartilhar