Bárbara Soeiro representa a Câmara no Seminário “Violência de Gênero: vamos dar um basta!”

Bárbara Soeiro representa a Câmara no Seminário “Violência de Gênero: vamos dar um basta!”

A vereadora Bárbara Soeiro (PSC) está representando a Câmara Municipal de São Luís (CMSL) no Seminário “Violência de Gênero: vamos dar um basta!”, que acontece hoje e amanhã, no auditório central da Universidade Federal do Maranhão. O objetivo é coletar experiências que servirão de base para uma discussão sobre o tema na Comissão de Defesas dos Direitos e Protagonização da Mulher do Parlamento ludovicense, por ela presidida.

Realizado pelo Fórum de Enfrentamento às Violências, o evento que reúne representantes da administração superior da UFMA, da Prefeitura de São Luís, do governo do Maranhão, da Câmara de São Luís, profissionais de segurança, professores e estudantes também visa propiciar o debate sobre violência de gênero no estado, com base em pesquisas e ações realizadas na Universidade e pelo poder público, de modo a contribuir para a formulação de políticas públicas para o seu enfrentamento na sociedade.

Conforme recorda a vereadora, periodicamente casos de violência nas instituições de ensino ganham espaço na mídia. E, segundo ela, o seminário serve também para abordar essas formas de violência que vão além das agressões físicas.

“Este é um problema que vem crescendo na mesma proporção em que são registrados aumentos nos índices de violência na sociedade. E as instituições de ensino (escolas e universidades) acabam sendo os locais que absorvem estes conflitos em grande intensidade. O nosso objetivo neste encontro é coletar experiências que servirão de base para uma discussão sobre o tema na Comissão de Defesas dos Direitos e Protagonização da Mulher da Câmara”, enfatiza a parlamentar.

Representante da ONU Mulheres no Brasil, Wânia Pasinato, destaca que a violência tem acontecido mais no meio doméstico, onde 70% envolvendo mulheres, meninas e adolescentes. Apesar dos casos de violências registrados em São Luís, Wânia diz que existem outras cidades mais violentas que a capital maranhense.

“A violência tem acontecido mais no meio doméstico, onde 70% envolvendo mulheres, meninas e adolescentes. Seis destes casos foram denunciados pela mídia por estupro coletivo. Para combater isso, está em curso um estudo por um professor do Ceará, para que esse estudo seja ampliado em nove capitais do Nordeste e São Luís está incluída. Quero dizer para vocês que existem outras capitais mais violentas. Porém, será um estudo pra ser explorado para ver como essa violência se distribui no País”, afirmou Pasinato.

Tema coletivo – A mesa de abertura foi composta pela reitora da Universidade, Nair Portela; pela vereadora Bárbara Soeiro, representando a Câmara; pela coordenadora do Diretório Central da UFMA, Josy Pereira Gomes; e pela secretária da Mulher, Laurinda Maria de Carvalho.

“O tema não pode ser entendido apenas do ponto de vista policial. Precisa de pontos de vista diversos e de ser construído com o coletivo”, afirmou Nair Portela, ao início das atividades. “A ideia é lançar aqui um fórum permanente de discussão de segurança na UFMA. Para termos um ambiente de paz, de tolerância e de respeito”, prosseguiu.

O evento tem como parceiros a Secretaria da Mulher (Semu); Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Relações de Gênero Étnico, Raciais, Mulheres e Feminismos (GERAMUS); Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB); Câmara Municipal de São Luís, Diretório Central Estudantil-Gestão 17 de Setembro; Fórum Maranhense de Mulheres e o Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Educação, Mulheres e Relações de Gênero (GEMGe).

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *