Madeira diz não fazer parte de consórcio e vai entrar na disputa para ser o próximo prefeito de São Luís

Por Diego Emir.

Em entrevista ao jornal O Estado do Maranhão, o juiz aposentado Carlos Madeira falou sobre a sua decisão em disputar o pleito; sobre a proposta de adiamento das eleições municipais em decorrência da pandemia do Covid-19; sobre a participação de ex-magistrados na política e sobre o atual cenário político.

O Brasil enfrenta a pandemia da Covid-19 e durante esse tempo a disputa eleitoral acabou ficando em segundo plano. Tanto, que não há definição ainda a respeito da data do pleito. Importante perguntar, o senhor mantém a sua pré-candidatura?

Sim, sou pré-candidato a prefeito de São Luís e estou confiante de que vamos vencer as eleições. E o mais importante é que não estou só. Porque não é um projeto pessoal, um capricho. Sou pré-candidato porque a cada dia recebo novas manifestações de apoio, de pessoas de diferentes segmentos da sociedade que se juntam ao nosso projeto, de lideranças comunitárias e políticas, artistas etc. E isso só tem me encorajado a seguir adiante com esse projeto que é, sobretudo, coletivo. Ou seja, um projeto com dimensão suprapartidária, supra-ideológica, que possa possibilitar um levante cívico em favor de um novo jeito de fazer política. Mantive um certo distanciamento do debate pré-eleitoral, nos últimos três meses, em respeito e solidariedade às famílias de vítimas dessa triste pandemia que tomou conta do mundo. Isso é da minha natureza.

E em relação a possibilidade de adiamento do pleito. A Justiça Eleitoral e o Congresso sugerem duas datas: uma em novembro e outra em dezembro. Para você, qual seria a saída mais viável? Adiamento ou manutenção do pleito em outubro?

Fui o primeiro pré-candidato no Brasil a defender o adiamento das eleições, ainda no mês de março, quando os técnicos do Ministério da Saúde apontavam para a possibilidade de a curva de contaminação da Covid-19 ainda se encontrar alta no mês de agosto. Antevia os graves danos emocionais sofridos pela sociedade, com milhares de família em estado de luto e, assim, sem condições de participar com entusiasmo cívico do processo eleitoral. Defendo que a decisão da Justiça Eleitoral leve em consideração os cuidados sanitários, recomendados pela OMS, e os protocolos mais eficientes para a preservação da saúde da população. Mais importante que a eleição é a vida das pessoas.

E qual a sua opinião em relação à possibilidade de prorrogação de mandato dos atuais prefeitos e vereadores?

Não há como sequer cogitar essa possibilidade. A prorrogação violaria os princípios fundamentais da República, contidos nos artigos 1º a 4º da Constituição Federal. Qualquer Proposta de Emenda Constitucional (PEC) no sentido da prorrogação de mandatos nascerá sob o signo da inconstitucionalidade e será naturalmente abatida pelo STF. O que defendo, por não implicar em prorrogação de mandato, é a mudança das eleições do mês de outubro para a segunda quinzena de novembro, no primeiro turno; e primeira quinzena de dezembro, no segundo turno.

Como consolidar uma campanha diante da forte estrutura de adversários que atuam por décadas na política?

O nosso projeto difere em vários pontos das pré-candidaturas já apresentadas. Respeito todos os nomes previamente anunciados, tendo com alguns boas relações de amizade. Nosso projeto, porém, está alicerçado em valores que são fundamentais para os anseios da população e que nada têm a ver com tamanho ou estrutura de campanha ou com longevidade na política. Estamos nos consolidando, dia após dia, com o apoio do povo, das pessoas mais simples que se identificam com a minha biografia e com os nossos planos para administrar São Luís. Minha pré-candidatura não requer pirotecnia, não é um projeto de marketing; não preciso de media training para aprender a dialogar com o povo. Nasci na periferia, conheço a linguagem e a cultura de nossa gente. Sou um ludovicense típico.

Na sua avaliação, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior conseguiu cumprir o que prometeu em 2012, quando foi eleito para um primeiro mandato?

Acho que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior conseguiu avançar em alguns pontos e deixará, ao final do seu mandato, outras frentes de trabalho que necessitarão ser concluídas pelo seu sucessor. Poderia ter avançado mais com obras estruturantes. Poderia ter avançado mais com obras estruturantes em seus oito anos de mandato, bem como poderia ter se dedicado mais ao turismo e à cultura, dois setores que precisam de uma atenção muito especial pelo fato de São Luís possuir uma vocação histórico-cultural. Minha política será sempre aquela de não virar as costas para gestões anteriores, respeitando, assim, o princípio da continuidade administrativa. Se algo precisa ser continuado, assim o faremos, com responsabilidade e transparência.

Setores da imprensa já o citaram como parte do “consórcio” de pré-candidatos do governador Flávio Dino em São Luís. Há alguma verdade nisso?

Não me vejo fazendo parte de qualquer consórcio. Minha pré-candidatura, como já disse, atende a um chamado das pessoas simples, de comunidades como o Bairro de Fátima, onde estão as minhas origens. Meu consórcio é com o povo da Cidade Operária, da Cidade Olímpica, do São Raimundo, de toda a área Itaqui Bacanga, da Divineia, do Coroadinho, de toda a zona rural de São Luís. É nesse consórcio que eu acredito. Sou amigo do governador Flávio Dino, todos sabem, pois passamos no mesmo concurso para juiz federal. Ficaria imensamente orgulhoso, e assumiria publicamente com entusiasmo, um eventual apoio do governador Flávio Dino.

Por qual motivo o eleitor de São Luís pode depositar a esperança por dias melhores em Carlos Madeira?

Pela força da minha biografia, da minha história de vida. Sou um vencedor. Nasci em uma comunidade da nossa periferia, filho de um alfaiate e de uma empregada doméstica. Fui lavador de carros, vendi laranjas no Estádio Nhozinho Santos, fui ajudante de pedreiro e trabalhei na roça. Não trago comigo dinheiro para esbanjar em campanha. Não trago promessas mirabolantes que jamais seriam cumpridas. Não chego até aqui com um projeto político viciado, arcaico ou comprometido.

Trago comigo a minha história de vida, os valores que me foram ensinados em casa pela família, ideias e planos para
melhorar a qualidade de vida e elevar a autoestima do povo de São Luís. Trago comigo aquilo tudo que aprendi ao longo da caminhada, coisas que quero repartir com os meus conterrâneos como prefeito da capital maranhense. Sou um idealista, alguém que, por um ideal, coloca o seu nome em uma fase madura da sua vida, quando não precisa de mais nada, a não ser de saúde, para contribuir com a cidade, administrando-a em um momento tão dramático na história da humanidade.

O candidato que aparece na primeira colocação em intenções de votos, segundo pesquisas registradas no Tribunal Superior Eleitoral e já publicadas, é o deputado federal Eduardo Braide. Você vai endurecer o embate contra ele?

Qualquer pesquisa hoje é apenas um cenário de agora. Nunca será uma certeza para daqui a quatro ou cinco meses. Eu confio no meu trabalho, nas manifestações de apoio que tenho recebido, na capacidade de crescimento do nosso projeto. Isso, para nós, é mais importante que qualquer precipitação de números. O povo ainda não se decidiu, isso é o fato. Na história recente das eleições de São Luís sabemos de situações em que candidatos tidos por favoritos sequer foram para o segundo turno. O foco é e será sempre o nosso projeto, um projeto coletivo pela cidade, e não um projeto pessoal para se perpetuar na política.

Nos últimos anos houve uma migração mais intensa de ex-juízes para a política. No Maranhão, o governador é um ex-juiz. No Rio de Janeiro, também. Sérgio Moro deixou a carreira para atuar como ministro de Bolsonaro. Você propõe uma candidatura própria depois de aposentado. Essa movimentação, do seu ponto de vista, numa leitura mais profunda, traz algum incômodo para a atual conjuntura do Judiciário? Há uma resistência dentro do Judiciário à essa migração?

Não vejo qualquer resistência. Os exemplos citados são casos pontuais. Mas não vejo isso como uma tendência. O Poder Judiciário tem muitos quadros qualificados, pessoas capazes. E algumas delas encontram no vácuo da política brasileira atual a possibilidade de ajudar a escrever uma nova história.

Qual a sua avaliação a respeito do atual cenário político do Brasil?

O Brasil já enfrentava problemas econômicos e sociais graves muito antes da pandemia. A crise econômica ajudou a
maltratar o sistema de saúde e a educação, principalmente. Com a Covid-19, a situação tem se agravado e levado muitos municípios à beira do caos. Fora isso, o Brasil enfrenta uma crise política séria, que precisa ser encarada com
responsabilidade e, principalmente, com maturidade. O país precisa avançar. Mas, isso só será possível com muito diálogo.

E qual a sua avaliação a respeito do presidente da República?

Estamos no meio de uma pandemia que seguramente vai mudar os rumos da história, com impactos nas esferas federal, estadual e municipal. O presidente Jair Bolsonaro enfrenta dificuldades e penso que o momento, para superar essa grave crise sanitária, é de união de todos. Não podemos deixar que questões ideológicas ajudem a agravar ainda mais a situação.

São Luís, uma cidade com mais de um milhão de habitantes, depende diretamente de parcerias com o governo federal, independentemente de quem esteja à frente do poder.

Compartilhar

Wellington diz que Maranhão pagou R$ 310 mil por respirador; equipamento mais caro custou R$ 49,5 mil.

Por Clodoaldo Correa.

O deputado Wellington do Curso fez uma verdadeira confusão numérica ao anunciar em card que o governo do Maranhão pagou R$ 310 mil em um respirador. Na peça publicitária, o deputado compara o governo do Maranhão ao de Minas Gerais, um dos que menos testa no país.

Mas para além da subnotificação em Minas, o que espanta é o valor do respirador apontado por Wellington como tendo sido pago pelo governo do Maranhão: R$ 310 mil, enquanto Minas pagou R$ 48 mil. Ocorre que o respirador mais caro pago pelo governo do Maranhão custou R$ 49,5 mil. Todos os equipamentos que o governo comprou foram adquiridos no mercado nacional.

Vale lembrar que os respiradores trazidos da China foram comprados por empresários do Maranhão, não gastando um centavo de dinheiro público na compra, mas somente na logística para trazer os equipamentos.

Mas de onde o deputado tirou o valor? A resposta está na confusão – proposital ou não – dos respiradores “comprados” pelo consórcio do Nordeste.

Foram feitas duas compras pelo Consórcio. Uma de R$ 4,9 milhões e outra de R$ 4,3 milhões. A primeira é que está na Justiça por intervenção do próprio Consórcio Nordeste contra a empresa que vendeu e não entregou 300 respiradores aos nordestinos. Não dá pra mensurar quanto o Maranhão pagaria por cada respirador porque cada estado pagou uma parte.

Governo do Maranhão não pagou R$ 310 mil por respirador como alardeado por deputado em peça publicitária

A segunda “compra” sequer foi efetuada. O pagamento de R$ 4,3 milhões por 30 respiradores foi cancelado. O dinheiro não foi para a segunda empresa caloteira.

Mas vejam o que fez o deputado Wellington. Pegou o valor total das duas compras que sequer ocorreram como se fosse todo para 30 respiradores e dividiu por 30 para chegar ao valor de R$ 310 mil por respirador. Uma conta claramente distorcida.

E ainda não tem lógica o parlamentar afirmar que o Maranhão comprou respiradores superfaturados por compras que sequer ocorreram.

Compartilhar

MP Eleitoral pede apuração sobre possível propaganda irregular e abuso de poder da deputada Detinha

Por John Cutrim.

O Procurador Regional Eleitoral no Maranhão, Juraci Guimarães Júnior, apresentou pedido às Promotorias Eleitorais do município de São Luís, com atribuição perante a 2ª, 76ª e 89ª zonas eleitorais, para que sejam apuradas possíveis práticas de condutas abusivas do poder político e/ou econômico envolvendo a deputada estadual Maria Deusdete Lima Cunha Rodrigues, mais conhecida como Detinha, pré-candidata a prefeita de São Luís.

De acordo com o ofício, várias páginas na internet noticiaram a realização da ação social “Tenha Coração”, promovida pelo bloco Vem BB no último sábado (13), no bairro Cohatrac.

Segundo informações postadas nas redes sociais do Cia Vem BB, a distribuição de vale-compra no valor de R$ 70,00 é fruto de uma live que arrecadou R$ 40 mil reais e vai beneficiar milhares de famílias em mais de 30 bairros em São Luís.

Nas redes sociais do instituto, a deputada Detinha foi elogiada por apoiar a ação social. De fato, a própria deputada, na sua página pessoal, postou foto de sua presença no local e demonstrou total apoio à ação.

Acesse aqui a íntegra do ofício expedido pela PRE/MA.

Compartilhar

Amílcar Rocha deixa a Superintendência do Estado para concorrer a Prefeitura

Entrevista concedida ao blog Barreirinhas em foco.

Barreirinhense, terceiro dos 13 filhos de d.Maria Madalena(Dadá) e seu Milton Dias Rocha. Vendeu café numa torrefação para ajudar na criação dos seus irmãos mais novos e mais tarde Amílcar foi estudar em São Luís, onde vendeu revista em uma banca na Praça Deodoro e depois, conseguiu emprego como funcionário dos Correios. Formou-se em Direito na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e seguiu sua carreira de advogado defendendo trabalhadores urbanos e rurais. Chegou a passar em concurso público para promotor de justiça, mas não quis assumir o cargo e passou em outro concurso da carreira jurídica para Juiz do Trabalho, em cuja profissão veio a se aposentar no ano de 2012. Apesar do Povo ter uma imagem diferente, Amílcar Rocha é bastante descontraído e simples, às vezes tímido, porém a firmeza em suas palavras demonstra a firmeza de um líder nato.

Entrevista:

BEF: _ Quanto tempo o Senhor ficou no cargo de Superintendente do Estado. Como foi o processo de desincompatibilização e quando foi feita?

AMÍLCAR – Ocupei por duas vezes o cargo de Superintendente de Articulação Regional de Barreirinhas, vinculado à SECAP – Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos. A primeira,  de março de 2015 a abril de 2016 e a segunda, de fevereiro de 2017 a maio de 2020. Saí no dia 1°de junho.  Agora estou sem cargo no Governo do Estado, me desincompatibilizei porque sou pré – candidato a prefeito de Barreirinhas.

BEF: _ Qual é mesmo o papel do Superintendente na região? O que ele pode fazer?

AMÍLCAR – O papel do Superintendente é fazer Articulação Política. Ouvir a classe política, o poder público, as lideranças, a sociedade civil. Ouvir os  Sindicatos, Associações, Conselhos, Igrejas, Empresários, etc, e levar os interesses da sociedade e das comunidades para o Governo do Estado, por meio de seus Secretários e, dependendo do caso, diretamente ao Governador.

Na verdade, como as Superintendências não são órgãos executivos, portanto, não dispõem de orçamento, o seu trabalho consiste em mediar as demandas dos Municípios e das comunidades ao Governo estadual, acompanhar a realização de obras, serviços e políticas públicas.

BEF: _ Como avalia sua passagem à frente da Superintendência, especialmente, em relação ao município de Barreirinhas?

AMÍLCAR – Considero que meu trabalho foi proveitoso, mesmo com várias dificuldades e  desafios enfrentados devido à conjuntura política e econômica.  Durante o período em que estive como Superintendente, participei da implementação de políticas sociais desenvolvidas pelo governo estadual, acompanhei a execução de obras e serviços e ajudei na mediação  de demandas importantes dos diversos setores da sociedade e do município.

Dentre as ações acompanhadas e realizadas destacam-se as seguintes:

A) Na área da Educação:

1- Construção e entrega de 04 Escolas Dignas nos povoados Mangas, São José dos Viúvos, Passagem do Gado e Riacho do Meio, todas com sistema de abastecimento de água para as comunidades;

2- Construção e entrega da escola de ensino médio, no povoado Sobradinho – Centro de Ensino Plínio Portugal;

3- Reforma do Centro de Ensino Barreirinhas – CE-Barreirinhas;

4- Reforma do CE-Joaquim Soeiro de Carvalho (em conclusão).

B) Na área da Saúde:

1- Aquisição de novas Ambulâncias para o Hospital Regional de Barreirinhas – HRB;

2- Aquisição de um novo tomógrafo para o HRB;

3- Autorização para construção de uma UTI com 12 leitos no HRB (projeto em andamento);

4- Instalação de água potável no HRB, fornecida pela rede de abastecimento da CAEMA.

C) Na área de Segurança:

1- Instalação do CPTur (Companhia de Polícia Turística), que mais tarde se transformou em BPTur (Batalhão de Polícia Turística);

2- Instalação do Posto Policial de Atins;

3- Aumento do efetivo da Polícia Militar em Barreirinhas;

4- Aquisição de novas viaturas para as Polícias Civil e Militar;

5- Reforma da Delegacia de Polícia Civil;

6- Reforma do Quartel da Polícia Militar.

D) Na área de Infraestrutura:

1- Operações tapa-buracos todos os anos da Estrada MA-225 (Sobradinho a Barreirinhas);
2- Recapeamento asfáltico da avenida principal do bairro do Murici até o bairro do Amapá; 

3- Recapeamento asfáltico do acesso do bairro Carnaubal ao porto do Santo Antônio;

4- Recapeamento com piçarra da Estrada da Cardosa;

5- Pavimentação asfáltica do povoado Boa Vista ao São Domingos;

6- Pavimentação asfáltica da estrada do povoado São Domingos à Mangaba.

E) Na área de Saneamento e Abastecimento de Água:

1- Ampliação do sistema de abastecimento de água potável para o bairro Cidade Nova;

2- Ampliação do sistema de abastecimento de água potável para os povoados Tapuio, Laranjeiras, Vila São José, Cantinho e Santo Antônio;

3 – Estudo de implantação do sistema de abastecimento de água potável para os povoados Atins e Santo Inácio.

F) Na área do Turismo e Cultura:

1- Implantação da Superintendência de Turismo Lençóis e Delta;

2 – Edições do Projeto “Mais Cultura e Turismo: Lençóis Maranhenses” (Secretaria de Estado da Cultura e Turismo – Sectur), no período das férias de julho, com apresentação de bandas de diversos gêneros musicais, danças folclóricas, recreação infantil e outras atrações;

3- Realização da “Caravana do Governo de Todos” que ofereceu serviços de emissão de documentos, Ouvidoria, Cadastro para programas sociais e orientações para o consumidor e para operadores do turismo;

4- Realização de cursos ofertados pelo Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema/SECTI), tais como: Inglês e Francês, Agente de Turismo, Agente de Informações Turísticas e Condutor de Turismo capacitação para atendimento ao turista.

5- Realização de cursos de qualificação, palestras e feira de artesanato por meio do Ceprama Itinerante, realizada pela Secretaria de Estado do Turismo (SETUR), simultaneamente com a 19° AGRITEC – Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão dos territórios Munim, Lençóis e Delta. 

G) Na área da Agricultura Familiar:

1- Distribuição de sementes de arroz, feijão e milho para agricultores;

2- Entrega de 03 pequenas indústrias de beneficiamento de castanha do caju para pequenos agricultores;

3- Entrega de 02 tratores agrícolas para o STTR ajudar os pequenos produtores;

4- Instalação de um escritório da AGERP,que presta assistência técnica aos trabalhadores rurais e serviços de atendimento e acompanhamento de famílias de pequenos produtores em projetos de fomento e custeio da produção.

H) Na área de Direitos Humanos, Cidadania e Participação Popular:

1- Instalação do PROCON/VIVA;

2 – Instalação de Posto Avançado do SINE, durante o período de construção da rede de energia eólica;

3- Incentivo e apoio na mobilização da comunidade para participar das Escutas Territoriais em que o Governo do Estado ouviu a comunidade, com vistas à elaboração do Orçamento Participativo;

4- Mobilização da comunidade para participação em Seminários de conscientização sobre a preservação do Meio Ambiente e oficinas sobre Economia Solidária;

5- Participação na Oficina Regional de Elaboração do Plano Estadual de Direitos Humanos e do Programa Estadual de Educação em Direitos Humanos, evento promovido pela SEDIHPOP.

I) Outras áreas:

1- Realização da 16ª Caravana Empresarial, em Barreirinhas, evento do Governo do Estado com a participação de diversas secretarias, em parceria com a CDL, Associação Comercial, Sindlojas, Sindicato de Revendedores de Combustíveis, Delegacias Regionais de Contabilidade, Sebrae e Banco do Brasil, oferecendo serviços para os empresários e população em geral da região;

2- Atendimento por Unidades Móveis da SEFAZ de diversos serviços, inclusive regularização de automóveis e motocicletas;

3- Atendimento às mulheres pelas Unidades Móveis Carreta da Mulher e Ônibus Lilás, com oferta de serviços de saúde, consultoria jurídica, orientações e palestras sobre a Lei Maria da Penha e o enfrentamento à violência.

4- Realização do I SEMINÁRIO TERRITORIAL MEIO AMBIENTE, RESÍDUOS SÓLIDOS E CATADORES: “Agindo no Presente para Garantir o Futuro”, organizado e executado pela Superintendência de Articulação Regional de Barreirinhas, Secretaria de Estado do Trabalho e Economia Solidária – SETRES e Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais – SEMA.
BEF: _A título de considerações finais, como o senhor pensa Barreirinhas para que ela seja uma cidade melhor?
Amílcar –Barreirinhas é uma cidade grande e cresce cada vez mais, cheia de contradições e desafios. Temos problemas sérios em diversas áreas como: educação, saúde, segurança, urbanização,  regularização fundiária, estradas vicinais, produção, geração de emprego e renda, trânsito, meio ambiente, etc. Nesta entrevista vou destacar apenas os problemas relacionados com o meio ambiente, que é uma das minhas grandes preocupações e de todos os Barreirinhenses. Para que se possa   pensar numa cidade melhor, mais humanizada e acolhedora, que permita condições de vida digna para seus visitantes e moradores, é preciso enfrentar todos esses desafios. É urgente a retirada do lixão hoje existente praticamente no centro da cidade, causando sérios danos ambientais e problemas de saúde para a população que fica no seu entorno. É preciso, também, preservar o Morro da Ladeira, nosso principal cartão postal, e cuidar para que os acessos do Rio Preguicas e do Riacho Tibúrcio sejam mantidos desobstruídos e em condições de salubridade, para que se tenha um desenvolvimento sustentável, que leve sempre em conta os interesses do crescimento econômico com a preservação da natureza.Para se resolver problemas desta envergadura, é necessário que se faça uma parceria com o Governo do Estado e se busque recursos federais para implementar políticas austeras de preservação de nosso meio ambiente. Só assim é possível superar etapas tão importantes para assegurar melhores condições de vida para as futuras gerações.

Compartilhar

PARTICIPAÇÃO DO PT NA ELEIÇÃO DE SÃO LUÍS QUEM BATE O MARTELO É A DIREÇÃO NACIONAL, DIZ AUGUSTO LOBATO

Por blog do Jorge Vieira.

O presidente do diretório estadual do PT, Augusto Lobato, disse ao blog do Jorge Vieira que o partido ainda terá que vencer algumas etapas antes de definir a forma de participação nas eleições municipais deste ano na capital, Segundo Lobato, somente no encontro que definirá sobre táctica eleitoral, marcado para 20 de junho, é que será deflagrado, de fato, o processo: lançamento de candidatura própria ou aliança com um dos candidatos do arco de legendas que apoiam o governo Flávio Dino.

Signatário do manifestou que lançou a pré-candidatura do deputado Zé Inácio a Prefeito de São Luís, mas aliancista por convicção, segundo ele próprio se define, Lobato diz que assinou o manifesto porque não poderia se negar assinar o documento de apoio a um militante do partido, mas adiantou que o processo eleitoral interno está apenas em sua fase inicial e que somente após a definição da táctica eleitoral e se o partido optar por candidatura própria é que haverá discussão sobre os três pré-candidatos: Zé Inácio, Honorato Fernandes e Crisciele Muniz.

O dirigente petista, no entanto, adverte que existe a possibilidade da tese da aliança vencer e o partido participar do pleito aliançado com o PCdoB ou com outra sigla da base de sustentação do governador Flávio Dino.  “É uma possibilidade que deverá ser avaliada pela direção nacional”. Lobato lembra que em algumas cidades o PT está aliançado com o PCdoB, a exemplo do Porto Alegre onde a ex-deputada Manuela D’ávila terá como candidato o ex-ministro petista Miguel Rosseto.

Além do PCdoB, segundo Lobato, vários dirigentes nacionais de partidos que lançaram pré-candidaturas a prefeito de São Luís já comunicaram à direção nacional do PT interesse em ter um petista como vice, entre quais PSB, que terá como candidato o deputado federal Bira do Pindaré, e o Solidariedade do ex-juiz Carlos Madeira. “Tudo isso será avaliado”, acrescenta o dirigente estadual.

O presidente do PT disse ainda que o resultado do encontro municipal, seja candidato próprio ou aliança, será discutido com o diretório estadual, mas quem definirá, de comum acordo com as avaliações locais, será o diretório nacional a quem caberá bater o martelo, já levando em consideração futuras alianças para a sucessão presidencial de 2022.

Em síntese, o processo de discussão sobre a eleição para a Prefeitura de São Luis inicia no diretório municipal, passa por avaliação do diretório estadual, mas quem decide é a executiva nacional, ou seja, embora o deputado Zé Inácio tenha dado um passo importante ao reunir em manifesto assinaturas de lideranças petistas e do movimento sindical em defesa de sua pré-candidatura,  processo eleitoral interno no PT local está apenas iniciando e promete muito barulho.

Compartilhar

“A hora é de frente ampla pela democracia”, diz Márcio Jerry a sindicalistas

Em reunião virtual da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Maranhão (CTB-MA) na sexta-feira (6), o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) analisou o cenário político atual e comentou o descaso do bolsonarismo com a crise sanitária.
Para o parlamentar, a dimensão do coronavírus não foi compreendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que insiste em seguir com sua “pregação ideológica da extrema direita”, ao invés de liderar uma união para combater a doença.
“Nós somos o único país do planeta que atravessa a pandemia sem ter ministro da saúde. O presidente foi em uma solenidade em Goiás, levou de tiracolo um senador do Maranhão, fazendo questão de mostrar que não respeita as regras sanitárias, viaja sem máscara, promove aglomerações. Ele tomou um tombo, e esse é um prenúncio do que vai acontecer com o governo dele”, disse.

Jerry afirmou que seu partido defende o Fora Bolsonaro não só pela questão política, mas também pela questão sanitária. “Não podemos subestimar as tentações golpistas de Bolsonaro e seu clã miliciano, ele é antidemocrata e não cuida do povo. O PCdoB tem como prioridade a defesa da vida, e o pedido de impeachment é uma forma de enfrentar o mensageiro da morte. E também estamos lutando na Câmara, investigando nas comissões”.
Por fim, o deputado lembrou que é preciso estar em alerta, para que o governo federal não se aproveite da pandemia para “passar a boiada” também nos direitos trabalhistas. “Precisamos estar preparados para o embate. Teremos um caos econômico no pós-pandemia. Eles querem precarizar o trabalho, não apresentam nenhuma política de geração de emprego e renda e protegem o setor financeiro. Vamos nos mobilizar nas redes para quando chegar a hora, com os cuidados sanitários, voltar a ocupar as ruas”, completou.

Compartilhar

Flávio Dino nomeia Raimundo Reis para a Secid e fecha substituição de secretários

Por Clodoaldo Correa.

O governador Flávio Dino anunciou no Twitter o nome do novo secretário de Cidades e encerrou a substituição dos secretários que deixaram as pastas para disputar a eleição deste ano. Na Secid, quem assume é Raimundo Reis, que era secretário adjunto de assuntos metropolitanos da pasta.

Raimundo Reis é procurador estadual no Piauí, licenciado. O novo secretário é homem de confiança do próprio Rubens Pereira Júnior e já acompanhava de perto as obras desenvolvidas em São Luís pela pasta.

O blog já havia adiantado com exclusividade os outros novos secretários. Diego Rolim assumiu o Meio Ambiente, Nayra Monteiro a secretaria da Mulher e Sérgio Delmiro a Agricultura, Pecuária e Pesca. Todos os novos secretários já estavam na estrutura da administração como adjuntos ou subsecretários.

Compartilhar

Nascido no Bairro de Fátima, Juíz aposentado Zé Carlos Madeira fará o diferencial nas eleições de 2020

“Nossos atuais pré-candidatos devem o passado. Disponho meu nome para retirar São Luís, do atraso que se encontra” Sebastião Madeira
Com o advindo das eleições municipais, estamos tendo a oportunidade de podermos mudar a história de São Luís, e mudar para melhor. Um nome digno, está sendo destacando no meio das nescessidades, às quais se encontram as comunidades. A população terá uma grande surpresa nessas eleições de 2020, com um nome que vai fazer a diferença, Zé Carlos Madeira, Juiz Federal aposentado, empreendedor, no seguimento do lazer e do entretenimento, de origem humilde, onde tudo que conquistou na vida foi com muita luta, decência e sabedoria. Nasceu em São Luís, e se criou no bairro de Fátima. O pré-vandidato a prefeito decSão Luís, Zé Carlos Madeira é daqueles cidadãos que respeita as diferenças e luta pelos direitos dos negros, dos homossexuais, das mulheres e das minorias discriminadas. Sempre usou a Lei para defender os mais pobres e injustiçados. diz sempre que ser revolucionário, hoje, não é só ser marxista leninista, é defender a Constituição, visto que o regime democrático é o único que garante as liberdades civis, o diálogo e o respeito às instituições. 

O Juíz aposentado salientou ainda, “Se existem entraves para a consolidação do exercício democrático, acreditar que o problema seja da democracia é, no mínimo, um raciocínio estrábico”, observa o homem de formação jurídica, ética e humanista-Zé Carlos Madeira. E defende, que precisamos fortalecer o exercício do Estado Democrático de Direito, rompendo com qualquer possibilidade que venha a solapar a justiça, a paz, os direitos das minorias, historicamente construídos pela lutas de homens e mulheres contra a intolerância de regimes totalitários. Todavia, vale ressaltar, que nada dessa prática nefasta está autorizada pela Constituição, tampouco caminha rumo à construção da justiça social. É preciso, pois, romper o paradigma do personalismo político e construir canais de diálogo com os movimentos sociais, com entidades de classe, com representações da sociedade civil organizada, com a juventude, com os estudantes, com os trabalhadores. Segundo Madeira, faz-se necessário coibir a violência de gênero, punir o racismo, educar para o respeito às diferenças e respeitar valor identitários de negros, mulheres, grupos LGBTs, bem como promover políticas públicas destinadas a todos que se encontram em condição de vulnerabilidade social.
Esse debate e suas respectivas ações precisam ser construídos, como forma de mostrar que aqui e agora é possível ,sim, edificar um mundo melhor, um país mais democrático e promissor, um estado com mais justiça social e uma cidade cidadã e feliz. No entanto, só se muda a realidade com determinação e luta. Afinal, teremos que defender, com veemência, os nossos direitos. De fato, teremos de endurecer, sem que jamais percamos a ternura. É com essa energia que o som das matracas, das orquestras e dos pandeirões inrompe as manhãs; “é na ‘Ilha do Amor’ que haveremos de construir a nossa história”, afirma Madeira. 

(in)capacidade de lidar com as múltiplas crises
De acordo com o pré-candidato a prefeito de São Luís, Sebastião Madeira, a nação democrática, num estado que tenha uma a crise da legitimidade, uma crise econômica, que se prolonga em precariedade do trabalho, em salários de pobreza, um terrorismo fanático que fratura a convivência humana, alimenta o medo cotidiano, e dá amparo as restrições à liberdade em nome dá segurança, uma violência crescente contra as mulheres que ousaram ser elas mesmas, uma galáxia de comunicação dominada pela mentira, agora chamada de pós verdade. Uma sociedade sem privacidade, nas quais nos transformamos em dados. E uma cultura denominada entretenimento, construída sobre o estímulo de nossos baixos instintos e a comercialização de nossos demônios. Existe, porém, uma crise ainda mais profunda , que tem consequências devastadoras sobre a (in)capacidade de lidar com as múltiplas crises que envenenam nossas vidas : a ruptura da relação entre governantes e governados. A desconfiança das instituições, em quase todo o mundo, deslegitima a representação política e portanto, nos deixa órfãos de um abrigo que nos proteja em nome do interesse comum. Uma das paixões de Zé Carlos Madeira é a festa junina, uma forte tradição cultural nordestina e Maranhense protagonizada pelo “Bumba Meu Boi”, símbolo da cultura do Maranhão. Que infelizmente não vai ser realizada por causa da Pandemia do Corona vírus que dizimou à população no Brasil e no mundo. (Fonte: Blog do Genivaldo Abreu)

Compartilhar

Lideranças do PT e movimentos de esquerda lançam manifesto em apoio à pré-candidatura de Zé Inácio a prefeito de São Luís

Por Diego Emir

No Maranhão, lideranças do PT lançaram manifesto defendendo candidatura própria do Partido para prefeito de São Luís. No documento, dirigentes municipais e estaduais, membros da executiva do Partido, representantes dos movimentos sociais e sindical e demais lideranças políticas afirmam que o melhor caminho para o Partido dos Trabalhadores é ter um nome do próprio PT para disputar a prefeitura da capital maranhense.“É nesse contexto que o PT, em São Luís, deve ter candidatura própria, que represente o legado do Partido e o modo petista de governar, com participação popular, democracia e competência, apresentando-se como alternativa viável para os ludovicenses que sonham com uma cidade mais justa e melhor, com emprego, renda e oportunidades”, diz o manifesto.As lideranças políticas afirmam ainda que o melhor nome para representar o PT na disputa para a prefeitura de São Luís é o do Deputado Estadual Zé Inácio.“Apresentamos o nome do companheiro Zé Inácio, Deputado Estadual, como pré-candidato a Prefeito de São Luís, para representar o PT nestas eleições, parlamentar atuante e comprometido com as lutas do Partido dos Trabalhadores, que tem ampla relação com os movimentos sociais e faz um mandato participativo na Assembleia Legislativa do Maranhão, voltado para a classe trabalhadora, para a juventude, mulheres, negros e negras, pessoas que sonham e lutam incansavelmente por um projeto democrático e popular de desenvolvimento da nossa capital, com justiça social e oportunidade para todos e todas”, afirmam.O Deputado Zé Inácio também destacou o lançamento do manifesto e a importância da candidatura própria do PT em São Luís:“Sou pré-candidato do Lula e da militância de esquerda e democrática de São Luís, ele tem defendido que o PT tenha candidato nas capitais, sobretudo do Nordeste, e nas  principais cidades do país. É o Lula que vai definir sobre a nossa candidatura, pois é ele quem tem estimulado candidaturas próprias do PT, como a nossa, em todo o Brasil”, diz o parlamentar e dirigente nacional do PT, Zé Inácio.O PT, em São Luís, está em processo de definição de tática eleitoral, e o Diretório Nacional do Partido já publicou uma Resolução definindo o lançamento de candidatura própria em todas as capitais dos Estados da região Nordeste, o que inclui também a cidade de São Luís, uma estratégia que pretende fortalecer politicamente o Partido de Lula para as eleições presidenciais de 2022.

Compartilhar