Zé Reinaldo reafirma pré-candidatura e apoio a Roberto Rocha para o governo

Do Jornal Pequeno – O deputado federal e ex-governador do Maranhão, José Reinaldo Tavares (PSDB) esteve no centro das atenções, nas últimas semanas. Em entrevista exclusiva ao JP, reafirma sua pré-candidatura ao Senado Federal e o apoio a Roberto Rocha ao Governo do Estado. Com apoio do presidenciável, Geraldo Alckmin, o ex-governador critica as especulações e esclarece sobre um suposto afastamento do PSDB maranhense. “Divulgar que eu não apoio Roberto é um argumento muito pífio para disputar a vaga da minha candidatura ao Senado justamente porque não isso é verídico”, esclarece.

“Divulgar que eu não apoio Roberto é um argumento muito pífio para disputar a vaga da minha futura candidatura ao Senado”.

 

“Não existe lógica em não apoiar um membro do meu próprio partido. Se estou filiado no PSDB, é óbvio que apoio Roberto Rocha ao Governo do Maranhão”.

Jornal Pequeno – Nas últimas semanas, muitas especulações foram feitas em torno da sua pré-candidatura ao Senado e de um possível afastamento do PSDB local.  O senhor permanece na disputa ao cargo de senador?

Zé Reinaldo – Sem dúvidas. Esse é um projeto que completa o ciclo de minha trajetória política, de ex-ministro, ex-governador, deputado federal e, sobretudo, de técnico que dedicou a maior parte da vida a trazer desenvolvimento e soluções aos problemas da população. Modéstia à parte, tenho dado minha contribuição ao meu estado e ao país, com projetos como a transposição de águas do São Francisco, a ferrovia Norte-Sul, que hoje são reconhecidos por lideranças de diferentes partidos. No Maranhão, desde a construção da ponte José Sarney, ao aeroporto de Imperatriz, às escolas de Ensino Médio em todos os 217 municípios, entre tantas outras obras, tenho cumprido o meu dever. O Senado é a câmara alta do Congresso Nacional, onde os representantes da população com mais experiência costumam ser eleitos, em sua maioria. Sei que posso contribuir ainda mais com o nosso estado. Agora mesmo, no mandato de deputado federal, tenho obtido vitórias importantes que não são minhas, mas de toda a população maranhense. A instalação do curso de Engenharia Aeroespacial é uma delas, uma parceira da UFMA com o ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) e o CLA (Centro de Lançamento de Alcântara). Fui ao ministro da Aeronáutica com este pleito e ele me disse que várias estados brasileiros já aguardavam na fila, fazendo o mesmo pedido. Quando eu mostrei as condições excepcionais de Alcântara ele se convenceu e hoje já é uma realidade.

Por que o senhor nunca declarou apoio ao senador Roberto Rocha ao Governo do Estado?

Não existe lógica em não apoiar um membro do meu próprio partido. Se estou filiado no PSDB, onde destaco que fui muito bem recebido, é óbvio que apoio Roberto Rocha ao Governo do Maranhão.Há muito disse-me-disse sendo orquestrado com interesses ocultos. É de conhecimento público que ao informar – inclusive oficialmente por meio uma nota à imprensa – da minha filiação no partido, considerei o meu entusiasmo à candidatura de Eduardo Braide. Em uma eventual subida do Braide nas pesquisas, ele seria o meu candidato e, creio, que da maioria do eleitorado.

É assim que me relaciono com meus eleitores e com a opinião pública: de forma clara, sem subterfúgios. Essa sempre foi a minha posição. Não há lógica em cobrar um posicionamento oficial meu porque eu nunca mudei de posição, já ingressei no partido com essa declaração. Sempre pensei de forma estratégica, defendendo aquilo que é viável em uma eleição. Foi assim quando apoiamos e elegemos Jackson Lago. Divulgar que eu não apoio Roberto é um argumento muito pífio para disputar a vaga na minha futura candidatura ao Senado justamente porque isso não é verídico.

E por que o senhor não participa das viagens com a comitiva de pré-candidatos do PSDB?

Sofri um acidente no início do mês e interrompi minhas viagens. Na primeira viagem do nosso grupo, eu já havia marcado alguns compromissos antes e expliquei que não poderia ir com os pré-candidatos liderados pelo Roberto. Em seguida, não fui mais comunicado oficialmente de nenhuma das viagens. Tenho o apoio de muitas lideranças municipais, que estão me convidando para visitar suas cidades e preciso atender a cada uma delas. Fui governador em uma gestão municipalista, que deu muito apoio aos municípios e é natural que seja assim. Tenho uma agenda de visitas a cumprir. Agora essa é uma pergunta que também deve ser feita à coordenação política de campanha do Roberto Rocha.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *